Capela une Moreira e Vila Nova

Cerca de 17 anos depois, voltou a fazer-se a festa em honra de Nossa Senhora Mãe dos Homens, no lugar de Pedras Rubras. O largo da feira enfeitou-se no passado domingo e encheu-se das habituais bancas das romarias. De manhã, para a inauguração da capela e missa campal no largo da feira de Pedras Rubras. E à tarde, para a procissão.

Pouco passava das 10h00 e já o largo da feira estava movimentado. A Banda de Música de Moreira entoava algumas músicas, enquanto as individualidades convidadas iam chegando. Junto à Capela de Nossa Senhora Mãe dos Homens estavam já vários elementos ligados à paróquia e à comissão fabriqueira, assim como o Agrupamento 902 de Escuteiros de Moreira. Mas também individualidades políticas do concelho e representantes da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Moreira da Maia.

À tarde, saiu à rua a procissão em honra de Nossa Senhora Mãe dos Homens, que reuniu os andores dos padroeiros das diversas capelas da Vila de Moreira e ainda dois andores de Vila Nova da Telha – Nossa Senhora do Ó e Nossa Senhora da Paz – acabando por ser uma festa que envolveu as paróquias das duas freguesias. Daí a presença na inauguração da capela dos presidentes das duas juntas de freguesia: Albino Maia (Moreira) e Pinho Gonçalves (Vila Nova da Telha). Mas também do presidente da Assembleia Municipal da Maia, Luciano da Silva Gomes, e dos presidente e vice-presidente da Câmara Municipal da Maia, respectivamente, António da Silva Tiago e Bragança Fernandes.

A Capela de Nossa Senhora Mãe dos Homens era pertença de particulares – Arminda Ramalhão e Joaquim Faria Ramalhão. Mas, em Novembro de 2002, já por iniciativa da filha do casal – Fernanda Camotim – e do marido, acontece a doação à Paróquia do Divino Salvador de Moreira. As placas descerradas na capela, no momento da inauguração, fazem referência a estes nomes, juntando a frase “Respeito à doação”. A do interior, do lado esquerdo do altar, foi descerrada pelos juízes da festa, a filha e o genro de Lopes da Silva, uma das pessoas que contribuíram financeiramente para as obras de restauro e ampliação da capela. O espaço cresceu um pouco, nas traseiras, aumentando a área reservada à sacristia.

A bênção da renovada, e ampliada, capela esteve a cargo do padre de Moreira da Maia. Alcindo Barbosa acredita que as condições em redor da capela, nomeadamente o espaço para estacionamento, serão argumentos para mais celebrações neste templo. E também para “unir a Paróquia de Moreira e mais com Vila Nova da Telha”. “O povo é que há-de dizer como vai ser”, acrescentou o pároco. Logo a seguir ao descerramento da placa exterior, ao som do Hino nacional “A Portuguesa”, Alcindo Barbosa deixou “um muito obrigado a todos” e ainda um apelo aos vindouros: “Continuem as tradições da nossa paróquia”.

As obras, que se prolongaram por cerca de dez meses, custaram cerca de 200 mil euros. Para além de Lopes da Silva, foram financiadas em 50 mil euros por Luciano Moreira Gontão. E por alguns particulares das freguesias de Moreira da Maia e Vila Nova da Telha, mas de forma menos significativa. Fonte da comissão fabriqueira do triénio 2007/2008 adiantou a PRIMEIRA MÃO que, depois de ter oferecido o projecto, a Câmara Municipal da Maia deverá também ajudar a suportar as despesas em cerca de 60 mil euros.

Marta Costa