Aberto concurso para combater o consumo de drogas ilícitas no Sobreiro

O Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT) vai lançar, em Setembro, o concurso para o Programa de Respostas Integradas (PORI) que, na Maia, terá como alvo o território do Bairro do Sobreiro.

A decisão surge na sequência do diagnóstico realizado no âmbito do Plano Operacional de Respostas Integradas (PORI). A equipa de técnicos do Centro de Respostas Integradas (CRI) Porto Ocidental – Matosinhos encontrou neste território, que compreende várias freguesias, várias lacunas e potencialidades, tendo em vista a prevenção, redução de riscos, minimização de danos do consumo de drogas, o tratamento e a reinserção.

Os territórios identificados na Maia foram o Bairro do Sobreiro, Maia Sul, Pedras Rubras e Vila do Castelo. Para já, foi lançado apenas o concurso para o território a que a equipa técnica deu o nome de Bairro do Sobreiro. Para além do bairro de habitações sociais, a área que foi alvo de estudo engloba os pavilhões municipais, a Escola Secundária e EB 2, 3 da Maia; o Parque Central da Maia; o Monte de Santa Cruz na freguesia de Barca; o Lugar do Rio na freguesia de Nogueira e a área da Cooperativa de Habitação Nortecoope na freguesia de Gueifães.

Os principais problemas identificados passam pelo abandono e insucesso escolar; existência de crianças e jovens com comportamentos perturbadores; famílias desestruturadas/disfuncionais com situações de violência doméstica; famílias em situação de precariedade económica, beneficiárias do Rendimento Social de Inserção; gravidez na adolescência; desemprego ou empregos precários; famílias com histórias de consumos de substâncias psicoativas (droga, álcool, tabaco).

Menores em risco e adultos consumidores são prioridade

O diagnóstico indica que o programa de respostas a implementar no terreno deve estar direccionado para as crianças, jovens e adolescentes em risco, e para os adultos consumidores ou em recuperação.

É para os grupos de risco identificados que devem ser direccionadas as acções de intervenção. A equipa propõe um trabalho de prevenção junto dos menores e adolescentes em risco, tendo em vista a redução dos comportamentos de risco, e a promoção de iniciativas que levem ao desenvolvimento das suas competências pessoais e sociais.

Fernanda Alves

(Notícia desenvolvida na edição desta semana de Primeira Mão)