PS Maia pressiona Mário Gouveia a ser o candidato “rosa” à Câmara da Maia

“Pensamos que é o presidente da Comissão Política Concelhia que se encontra melhor posicionado para liderar o projecto do PS nas próximas eleições autárquicas. Temos consciência do nível de exigência do que lhe estamos a pedir, mas é nossa convicção que não pode nem deve recusar o desafio. Desempenhar cargos é também correr riscos políticos. Não aceitaremos pára-quedistas ou pretensos candidatos mediáticos (lá na sua terrinha!?)”.

Eis, em poucas linhas, a essência da missiva que os secretários coordenadores do Partido Socialista da Maia enviaram ao líder da concelhia, Mário Gouveia (na imagem), incitando-o a ser o candidato “rosa” à presidência da câmara maiata nas eleições autárquicas de Outubro.

A carta, com data de 17 de Dezembro, já enviada e dada a conhecer esta quarta-feira através do blogue “Catassol”, mantido por elementos do PS de Gueifães, foi subscrita por elementos da comissão política concelhia, da distrital, “por anteriores presidentes da concelhia bem como pelos presidentes de junta e vereadores socialistas, na convicção de estarem a interpretar o sentimento dos socialistas e dos maiatos no que toca ao projecto do PS às Autárquicas de 2009”.

Na carta, os subscritores dizem a Mário Gouveia que a Maia “é hoje um concelho onde a sociedade civil vive espartilhada num autêntico colete-de-forças, instalado ao longo dos últimos mandatos autárquicos”, sendo que a maioria das instituições, representativas das forças vivas, culturais, sociais, desportivas e empresariais, e até religiosas, “estão directa ou indirectamente ao serviço dos interesses ligados à maioria que domina a Câmara Municipal da Maia”.

Os autores lembram os passeios de idosos à Quinta da Malafaia, os cabazes de Natal distribuídos, que dizem ser “mais ou menos 12000”, e “entrega pessoal pelo Presidente da Câmara de licenças de construção e habitabilidade”, acabando por perceber “os tentáculos do polvo que asfixia o funcionamento democrático da sociedade civil maiata”.

O documento reforça a ideia deste alegado asfixiamento com a “propaganda mediática paga ou de circunstância”, para concluir que é nestas condições que o PS tem disputado eleições. Feitas as contas, concluem os autores da missiva, que, tendo o presidente da concelhia conquistado “os seus galões numa disputa democrática”, sendo um líder de oposição e já ter prestado provas ao conquistar a Junta de Freguesia de Milheirós, sendo “inteligente, com sólida formação académica, ligado à área universitária (ISMAI), ao desporto (Associação de Andebol do Porto) e bem relacionado com os meios religiosos e respeitado nos meios sociais maiatos”, é aquele que se encontra “melhor posicionado para liderar o projecto do PS nas próximas eleições autárquicas”.
Na parte final da carta, destacam o “nível de exigência” do que pedem a Mário Gouveia, mas “é nossa convicção que não pode nem deve recusar o desafio”.