Centenário do Padre Pinheiro Duarte evocado em Amarante

Oito dias depois da realização, na Maia, da evocação do Centenário do Nascimento do Padre José Pinheiro Duarte, foi a vez da sua terra natal, Vila Chã do Marão, no concelho de Amarante, lembrar aquela efeméride e perpetuar o nome do seu filho ilustre.

Promovida pela família, pela Paróquia e pela Junta de Freguesia de Vila Chã, esta evocação iniciou-se com a Missa Dominical, a que deu especial interioridade o Coro Paroquial, e finda a qual foram distribuídas lembranças alusivas (o Livro e a Medalha) a algumas personalidades locais.

Seguiu-se uma romagem ao Cemitério, onde o representante da Câmara Municipal, a Provedora da Santa Casa da Misericórdia e o Presidente da Junta de Freguesia da Maia depuseram uma coroa de flores.

A encerrar foi descerrada uma lápide na casa onde nasceu o Padre José Pinheiro Duarte, cujo quarto se conserva tal como era há muitos anos.

Usaram da palavra o anfitrião, presidente da Junta de Freguesia de Vila Chã do Marão, o representante da Câmara Municipal da Maia que leu uma mensagem do seu presidente, António Bragança Fernandes, que não pode estar presente, um elemento da Santa Casa da Misericórdia da Maia e o presidente da Junta de Freguesia da Maia, Carlos Teixeira que encerrou a sua intervenção lançando o curioso repto de uma geminação entre a Maia e Vila Chã do Marão, sob a égide do Padre José Pinheiro Duarte.

Um porto de honra, oferecido pela família, e um almoço numa unidade hoteleira de Amarante concluíram esta manhã de romagem à terra natal do Padre Duarte.

Registe-se que, para além de vários maiatos que se fizeram conduzir em viaturas particulares, deslocaram-se àquela freguesia do concelho de Amarante um autocarro da Santa Casa da Misericórdia e outro da Câmara Municipal, a solicitação da Junta de Freguesia da Maia.