,

Gastronomia e música unidas na promoção do turismo maiato

O Festival Gastronómico da Maia, que decorre até ao final de Maio, constitui um veículo de divulgação do que de bom o concelho tem para oferecer a todos os seus visitantes. A gastronomia como parte integrante de uma cultura que se quer preservada na Maia, é sem dúvida um bom motivo para uma viagem até às terras do Lidador.

Por estes dias, os visitantes têm a oportunidade de saborear alguns dos pratos mais típicos e tradicionais do concelho, como o Cabrito Assado à Maiata, o Bacalhau à Lidador, o Bacalhau com Todos, a Vitela na Brasa, a Sardinha de Escabeche e o Arroz de Pica no Chão. E nas sobremesas, as rabanadas, a aletria, o leite creme, as tigeladas e os lidadores.

O festival arrancou no passado dia 1 de Maio, em paralelo ao Festival de Música da Maia, que decorre também até ao final do mês. A música e a gastronomia, vão estar, desta forma, de mãos dadas.

No que se refere ao festival gastronómico, os resultados têm sido positivos, nestes primeiros dias, de acordo com Rui Rodrigues, director da Divisão de Turismo da Câmara Municipal da Maia. “A afluência por parte do público tem sido bastante positiva, e os pratos que estão a ser apresentados pelos restaurantes têm sido bastante solicitados. Há alguma curiosidade por parte do público”, adiantou. O Cabrito Assado à Maiata, servido em pequenos ramos de loureiro e com arroz de forno a acompanhar, é um dos pratos mais requisitados, para além do Bacalhau à Lidador, bem regado com azeite e assado no forno, com batatas.

Aproveitando o facto de a gastronomia ser um bom motivo para uma viagem até à Maia, os visitantes podem ainda aproveitar para ficar a conhecer alguma da história e cultura do concelho. Aliás, a gastronomia e os vinhos são dois dos produtos turísticos consagrados no Plano Estratégico Nacional para o sector do Turismo, no Porto e Norte de Portugal. “Nós temos que cada vez mais, preservar e promover este tipo de produto, e incentivar a afluência de pessoas através da boa gastronomia e dos bons restaurantes que temos na Maia”, sublinha Rui Rodrigues. Sinal de que a gastronomia maiata começa a ser cada vez mais conhecida a nível do país é a inclusão de restaurantes locais em vários roteiros e guias gastronómicos. O público que vem à Maia por altura do festival gastronómico é, na sua maioria, proveniente de concelhos da Grande Área Metropolitana do Porto, mas nos últimos anos tem vindo a notar-se uma maior presença de espanhóis, sobretudo da Galiza, dadas as boas acessibilidades existentes.

A Divisão de Turismo da Câmara Municipal da Maia não preparou pacotes turísticos específicos para o festival gastronómico. Ainda não houve essa necessidade, de acordo com Rui Rodrigues. A Maia é por natureza, uma cidade de turismo de negócios, registando a permanência de milhares de pessoas nas suas unidades hoteleiras durante todo o ano, e que durante o festival aproveitam para conhecer a gastronomia local. E há também os “City Short Breaks”, produto turístico direccionado para aqueles que elegem a Maia como local de passagem ou estadia para umas mini-férias. Para este tipo de público, a Maia tem para oferecer durante o mês de Maio, “boa música”, com o festival de música que decorre no grande auditório do Fórum da Maia, e “boa comida”, com o festival gastronómico que este ano conta com a participação de 24 restaurantes. “É através do apelo a estes sentidos, do gosto e da audição, que nós tentamos captar mais gente. Não temos programas específicos”, refere o director da Divisão de Turismo da câmara da Maia.

Rui Rodrigues considera ainda que, cabe principalmente ao tecido empresarial do sector (operadores turísticos, agentes de viagens e hoteleiros) concretizar iniciativas que promovam o que de melhor a Maia tem para oferecer. À autarquia cabe apenas “dar o mote e os instrumentos, e apoiar os empresários”. A sua excelente localização e vias de acesso, a proximidade com o aeroporto e as suas unidades hoteleiras, são mais valias que na opinião de Rui Rodrigues, devem ser aproveitadas para a promoção do turismo maiato. “As pessoas podem ficar aqui com toda a comodidade e saírem daqui satisfeitas, como tem acontecido ao longo dos anos”, conclui.

Oferta turística

O facto de não existir uma oferta turística específica para o festival gastronómico, não impede os visitantes de partirem à descoberta da Maia. No site oficial do Maia Welcome Center (http://turismo.maiadigital.pt/), estão disponíveis alguns dos programas culturais e turísticos que o posto de turismo organiza durante quase todo o ano. Maia Histórica, Maia Rural, Maia Contemporânea, Maia por Terras do Lidador, 3 Dias entre Amigos, 3 Dias em Família, são alguns dos circuitos turísticos disponíveis. O Maia Histórica é, sem dúvida, o mais solicitado. Inclui a passagem pelos principais monumentos religiosos do concelho e pequenos núcleos rurais que ainda permanecem intactos. Para além dos percursos pedestres urbanos, o Jardim Zoológico da Maia e o Parque Urbano de S. Pedro de Avioso. Os apreciadores do Vinho Verde podem ainda aproveitar para visitar a Quinta de Santa Cruz, próxima ao Zoo da Maia. A quinta faz parte da Rota dos Vinhos Verdes, que tem como objectivo estimular o desenvolvimento do potencial turístico da Região Demarcada dos Vinhos Verdes. As visitas têm uma duração média de 15 minutos, incluindo provas de vinhos acompanhadas de pequenos petiscos. No posto de turismo Maia Welcome Center, os visitantes podem ainda ficar a conhecer alguns dos trabalhos de artesãos locais. Nesta altura está patente uma exposição de trabalhos em Fimo denominada “Sorrisos Coloridos” de Virgínia Borges.

Fernanda Alves