Mais dois parques infantis na Maia

A Maia tem dois novos parques infantis. As crianças da Guarda, em Moreira da Maia, ganharam novo espaço para brincar e a este espaço juntou-se o parque infantil no pátio da urbanização na rua Gonçalo Mendes da Maia, em Pedrouços.

O primeiro espaço a ser inaugurado foi o de Moreira da Maia. Numa das zonas mais sossegadas da freguesia, perto do grupo desportivo "Leões da Guarda", alguns populares assistiram à inauguração, com os filhos a querer invadir o parque mesmo antes da inauguração. Foi preciso refrear os ânimos aos mais novos, que tomaram conta do espaço mal acabaram os discursos.

Veja o vídeo:

 

No novo parque, ainda há muito por fazer. O presidente da Junta de Freguesia de Moreira da Maia, Albino Maia, lamentou que a zona envolvente à nova infra-estrutura ainda estivesse por cuidar, e reclamou "um espaço para lazer" ao lado do novo parque. Já o presidente da Câmara da Maia, Bragança Fernandes, continua a perseguir a meta proposta durante o passado mês de Junho: chegar aos 50 parques infantis antes do fim deste mês.

E no domingo, mais uma inauguração. Em Pedrouços, e à semelhança de Moreira da Maia, os mais pequenos tomaram de assalto o parque infantil, logo após o fim das intervenções. Mas com cuidado, não fosse acontecer algo de mau. E, caso acontecesse, seria complicado. O presidente da Junta de Freguesia de Pedrouços, Abílio de Sousa, deixa um aviso: "Se for preciso entrar aqui uma ambulância, isso é um pouco complicado". Os recados não ficaram por aqui e Abílio de Sousa, embora satisfeito com a obra, fez questão de lembrar que "há gente que passa aqui para ver coisas que não devem". O presidente da junta receia que "o espaço seja devassado".

Ânimos exaltados em Pedrouços

A inauguração foi marcada por algumas palavras mais duras dos habitantes da urbanização Gonçalo Mendes da Maia. "É só fachada, só vem cá quando o presidente da câmara também vem", apupavam os populares, de baterias apontadas ao presidente da Junta de Pedrouços. Ânimos serenados e depois de desculpas pedidas a Abílio de Sousa, tudo não passou de um mal-entendido. Segundo o responsável pela junta, tudo se deveu à "rescisão do contrato com a anterior empresa que limpava as ruas da Maia e a assinatura de um novo contrato", o que provocou "algumas falhas" na limpeza selectiva de arruamentos. Falhas que, de acordo com Abílio de Sousa, "já estão a ser solucionadas".