,

Maia celebra Nossa Senhora do Bom Despacho

A edição deste ano das festas em honra de Nossa Senhora do Bom Despacho, padroeira do concelho da Maia, realiza-se ao longo desta semana e até ao dia 13 de Julho, feriado municipal.

No fim-de-semana de 4 e 5 teve início a 13ª Feira do Artesanato, que se prolonga até segunda, reunindo cerca de 150 artesãos, divididos por 128 stands. A 5ª edição da Feira do Livro é outro evento que decorre até segunda.

No dia de hoje, sexta-feira, o programa das festas torna-se mais intenso. O início das festividades tem lugar às 19h00 com o quinto torneio quadrangular de futebol em veteranos “Dr. Vieira de Carvalho”, no estádio municipal, e que conta com as equipas do FC Maia, Selecção de Veteranos do Norte, FC Porto e Boavista FC.

Segue-se uma sessão de fogo de tiro, no monumento à comunidade maiata, a inauguração da tômbola de oferendas e do “Solar das Tílias” (barraquinha de petiscos). Às 22h00 tem lugar um dos grandes espectáculos desta festa, a actuação do grupo Santos e Pecadores. Paralelamente decorre a festa na rua com a actuação de vários grupos de concertinas, cantares ao desafio, folclore e música tradicional portuguesa, que marcarão presença o longo dos quatro dias de festa.

Amanhã, sábado, o dia começa às 10h00 com o desfile de Zés Pereiras pelas ruas da cidade. Segue-se, às 12h00, a romagem ao mausoléu, no cemitério de Moreira da Maia, em homenagem do falecido presidente da autarquia, Vieira de Carvalho. Durante a tarde tem lugar a inauguração do parque infantil, onde os mais pequenos têm várias actividades previstas, como insufláveis, ateliês, póneis ou mascotes. Ao fim da tarde jogam-se a final e atribuição do 3º e 4º lugares do torneio quadrangular de futebol de veteranos. Às 19h00 realiza-se a primeira missa em honra de Nossa Senhora do Bom Despacho, com celebração do padre Domingos Jorge. Ao início da noite tem lugar a actuação das bandas filarmónicas do concelho, a Banda Marcial de Gueifães e a Banda Musical de Moreira da Maia. Por volta das 21h30 realiza-se o festival de folclore com a presença do Rancho Folclórico de S. Cosme de Gemunde, do Rancho Folclórico de Tã-Mar, da Nazaré, do Rancho Folclórico dos Soutos, de Leiria, do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Barbeita, de Moncão, do Grupo Típico “O Cancioneiro de Águeda”, do Rancho Típico Santa Maria da Reguenga, de Santo Tirso, do Rancho Folclórico “Os Camponeses de Riachos”, de Torres Novas, e do Grupo Regional de Moreira da Maia. Para encerrar as festividades deste dia, à meia-noite ocorre a sessão de fogo pirotécnico.

O dia de domingo começa com a actuação das bandas filarmónicas de Gueifães e Moreira da Maia. Às 11h00 tem lugar a missa solene, em honra de Nossa Senhora do Bom Despacho, e que contará com a presença do bispo de Leiria e Fátima, D. Serafim Ferreira e Silva. Às 17h00 realiza-se a procissão em honra da padroeira do concelho. A noite começa com a actuação do trio de guitarra portuguesa do mestre Manuel Marques. De seguida tem lugar o I Encontro de Tunas Académicas, organizada pela tuna do Instituto Superior da Maia e que contará com a presença de tunas convidadas. A noite termina com a sessão de fogo preso e de jardim em pirâmide à meia-noite.

Na segunda-feira, último dia de festas e também feriado municipal, o dia começa com duas missas, uma às 9h00 e outra às 11h00, esta última presidida pelo bispo auxiliar do Porto, D. João Miranda Teixeira. Ao fim da tarde, às 19h00, tem lugar o desfile das bandas filarmónicas da Praça Doutor José Vieira de Carvalho até ao santuário da Nossa Senhora do Bom Despacho. A noite começa com a actuação de Marias – Música Tradicional Portuguesa, e prossegue com outro dos momentos altos das festividades, a actuação de Paulo Gonzo. As festas em honra de Nossa Senhora do Bom Despacho terminam com uma sessão de fogo piromusical, um espectáculo inédito na Maia.

Joaquim Marques, membro da comissão de festas, afirma que organizar estas festas “não é nada fácil”, e que por vezes sentem “uma mãozinha que nos ajuda, pois temos que estar em tantos sítios ao mesmo tempo e isso é complicado”. Joaquim Marques revela que a Igreja e os andores “dão muito trabalho a decorar e demoram horas seguidas para ficar prontos”, algo que só é conseguido “devido à devoção e dedicação das pessoas”, adianta o pároco Domingos Jorge. Joaquim Marques diz ainda que esta comissão de festas, que já organiza as festividades há quatro anos consecutivos, “está cansada” e sente “que está na altura de dar lugar a sangue novo”, mas considera “gratificante” a oportunidade de organizar estas festas, e agradece à câmara “todo o apoio que sempre nos demonstrou, uma vez que é o único financiador das festas”.

Programa das Festas