Programa eleitoral da CDU quer devolver sorriso aos maiatos

Um programa tendo em conta as pessoas no seu todo e os seus problemas. Foi esta a estratégia que serviu de base para que a CDU elaborasse o programa eleitoral autárquico, que apresentou esta terça-feira, na Quinta da Caverneira, em Águas Santas. Acima de tudo, referem os comunistas, será um programa para acabar com uma espécie de sorriso amarelo e forçado dos maiatos, devolvendo-lhes “a vontade de sorrir”.

Para isso, referiu o primeiro candidato à Câmara Municipal, António Neto, que esteve acompanhado na mesma pelo mandatário concelhio, Domingos Alves, e a primeira candidata à Assembleia Municipal da Maia, Márcia Silva, apresentam um conjunto de propostas globais, um conjunto de ideias que foram conseguidas depois do contacto com a população, as colectividades e instituições e da avaliação dos candidatos às diferentes assembleias de freguesia.

O primeiro candidato afirma que a CDU faz falta no executivo porque a coligação PSD-CDS/PP “parou no espaço e no tempo, continua a endividar-se” e a oposição socialista é “amorfa”. “É preciso uma presença forte no executivo de quem tem conhecimento

A CDU apresenta assim um “programa profundo que aborda todas as áreas e todas as vertentes do próprio concelho da Maia. É um programa que eu considero completo e desafiamos os nossos adversários políticos a apresentarem um programa igual ou parecido com este e que tenha abordagem para um concelho harmonioso e um concelho para todos”, sublinha.

E fazem parte das prioridades dos comunistas, entre outras questões, garantir a segurança de pessoas e bens no concelho; reequilibrar as contas da edilidade através de medidas de saneamento financeiro e de contenção de custos que permita a redução gradual do endividamento sem pôr em causa o investimento e defender um papel mais activo e forte na Área Metropolitana do Porto, assim como o desenvolvimento de políticas sociais de apoio aos mais desfavorecidos.

António Neto reiterou que a CDU está apostada em eleger um vereador para a Câmara, reforçar os eleitos na Assembleia Municipal e nas Assembleias de Freguesia. No entanto, assume que estão apostados em vencer a presidência da freguesia de Pedrouços. “A CDU tende a ter um melhor resultados nas autárquicas do que nas legislativas. Não estou a dizer que é fácil mas todo o quadro político de análise nós permite ir para esta batalha com alguma esperança e com alguma convicção”, conclui.

Isabel Fernandes Moreira