Felicity já trata da saúde aos maiatos


Foi à margem da acção de sensibilização “Os benefícios das terapias de reabilitação ao longo da vida”, no pequeno auditório no Fórum da Maia, que a Felicity deu o pontapé de saída nas actividades de equipa de terapias de reabilitação e reeducação. A empresa de saúde, fixada na Maia, cortou a simbólica fita no pequeno auditório maiato na passada sexta-feira à noite, na presença de todos os elementos da equipa clínica e de alguns membros da autarquia maiata, como a vereadora da Acção Social, Ana Miguel Vieira de Carvalho e o vereador da Juventude, Hernâni Ribeiro.

A responsável pela Felicity, Elisabete Pinto, quer levar além da Maia as operações da Felicity. Para já funciona apenas em terras do Lidador, mas espera Elisabete Pinto estender operações à capital do país a curto prazo. Depois de Lisboa, a Felicity pretende iniciar operações Europa fora. Para Elisabete Pinto, e apesar de “o limite ser o universo”, garante que não vai “tão longe para ajudar os marcianos”. Para já, a responsável espera “no crescimento da equipa” e na “melhoria da experiência” do quadro clínico da Felicity. Crescimento que também passa pela Maia.

Está prevista a inclusão da Felicity no projecto Rede Social da Câmara Municipal da Maia. Durante a apresentação da empresa, Elisabete Pinto garantiu ser da vontade da Felicity “doar” uma hora de trabalho de cada funcionário para o apoio à população mais carenciada da Maia. “Tudo está a confluir para esse objectivo, para que possamos contribuir na comunidade maiata dentro da sua Rede Social”. Também durante a apresentação, Elisabete Pinto garantiu que a Felicity era uma empresa com fins lucrativos mas que não se esquecia da responsabilidade social. “Também nos preocupamos com aqueles que não têm qualquer capacidade económica para adquirir os seus tratamentos”, avança Elisabete Pinto.

A Felicity actua nas áreas de as terapias de reabilitação e de reeducação ao longo da vida, desde os mais pequenos até aos idosos. “É uma área que necessitava de ser reforçada e desta forma vemos a Maia segurada nessa área”, considera a vereadora da Acção Social, Ana Miguel Vieira de Carvalho. Desde 2004 que existe um trabalho feito em rede na área da saúde do concelho da Maia, numa teia de ligações que já conta com 70 instituições. “As coisas a nível social devem ser pensadas com todos os parceiros”, considera a autarca. O pedido já foi apresentado pela Felicity e segue agora para análise por parte da autarquia.

Um início de actividades que Elisabete Pinto considera “auspicioso” e que dá emprego a uma equipa “muito jovem” e que foi “seleccionada pelo empenho que tinham pela prática nos estágios, pela sua intervenção junto de outras equipas”. Para a responsável pela Felicity, a “juventude” e o “dinamismo” da equipa podem ser benéficos para os bons resultados clínicos da empresa, já que os colaboradores vão ser capazes de “seduzir” clinicamente os pacientes.
A apresentação da Felicity aconteceu num pequeno auditório que foi insuficiente para acolher todo o público presente na Maia e à margem de uma acção de sensibilização promovida pela empresa de cuidados de saúde, que teve como principal orador o director clínico da Felicity, Sanches Silva.

Pedro Póvoas