António Victorino d’Almeida e Luíz Avellar arrebataram o público


Numa sala repleta de um público especial, muito interessado em ver e ouvir o resultado do anunciado duelo de pianos, António Victorino d’Almeida, maestro, pianista e compositor, e o brasileiro Luíz Avellar, também na condição de pianista e compositor, deram um concerto memorável.
Coube a abrir as “hostilidades” dando largas a sua imaginação criativa, tocando a solo, um improviso com tema e variações que instalou na sala um ambiente muito acolhedor, para o concerto. António Victorino d’Almeida, também teve o seu momento solístico, interpretando a música que no momento lhe ocorria para o seu improviso.

Uma vez postos frente a frente, o Festival de Música da Maia teve um dos momentos mais irrepetíveis de toda a edição do ano 2010. Os dois músicos, senhores de um talento poderoso, iniciaram um diálogo intenso, por vezes densamente sinfónico, apesar de estarem apenas e aparentemente limitados aos seus pianos.

Os contrastes dinâmicos que conseguiram, a expressividade dos seus fraseados e a energia criativa com que percutiram vibrantemente a maioria dos acordes nos teclados, levaram o público ao rubro.
Em certos momentos, o concerto parecia ser uma viagem na História da Música, dadas as evocações formais do barroco, do romantismo, impressionismo ou formas mais contemporâneas, sendo fácil reconhecer, aqui e ali, Bach, Vivaldi, Scarlatti, Mozart, Beethoven, Schubert, Brahms, Chopin, Stravinsky, Tchaicovsky, Chostakovich, Schoenberg, entre outros grandes compositores e, naturalmente, o próprio António Victorino d’ Almeida.

Pelo meio houve ainda lugar à boa disposição, com hilariantes momentos de fino recorte humorístico, com caricaturas musicais muito divertidas de excertos de temas da música popular portuguesa, tocados em forma de concerto, pondo o público a aplaudir com desprendidas gargalhadas.
Esta abordagem proposta pelo Maestro António Victorino d’ Almeida e partilhada com Luíz Avellar é de certo modo inovadora, pela forma descontraída e festiva com que a Música acontece para gáudio do público.

Lançamento do último disco de António Victorino d’ Almeida

No final do concerto, tal como havia sido noticiado pelo Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Maia, entidade organizadora do Festival, foi lançado a nível nacional, o disco comemorativo do 2º centenário do nascimento de Chopin.

Contendo uma gravação histórica de grande valor artístico, com as 19 valsas do compositor polaco, o disco lançado no Festival de Música da Maia tem as melhores referências da crítica internacional especializada, tendo recolhido inclusive, os mais distintos elogios do legendário pianista alemão, Alfred Brendel, que reconheceu nesta interpretação de Victorino d’ Almeida, um virtuosismo invulgar.
Muitos dos espectadores presentes no concerto tiveram o privilégio de levar para casa, o disco editado pela NUMÉRICA, autografado com dedicatória especial escrita pelo punho do próprio Maestro, aquando da sessão de autógrafos que ocorreu imediatamente após o concerto.