,

Primeiro semestre do ano com 51 empresas em processo de insolvência na Maia

Foram 1836 as sociedades que entraram em insolvência desde Janeiro até ao dia 14 de Junho. Um aumento de 9,8 por cento face ao ano passado. É o que refere o relatório do Instituto Informador Comercial.
A crise económica e as dificuldades em obter financiamento da banca estão a obrigar inúmeras empresas a fecharem as suas portas. No primeiro semestre de 2009 entraram em processo de insolvência 1671 empresas. Um número ultrapassado no mesmo período deste ano. Em média, estamos a falar de 11,2 insolvências por dia.

O distrito do Porto é a região com maior número de falências – 419 empresas avançaram com processos de insolvência no primeiro semestre deste ano. No entanto, e em comparação ao mesmo período do ano passado, houve um decréscimo de insolvências no distrito, menos 40, o que representa uma quebra de 8,7 por cento.

Segue-se Lisboa, com 315 insolvências, mais 8,6 por cento que em igual período de 2009, e Braga, que registou a falência de 257 companhias, menos 10,5 por cento.
O sector da Promoção Imobiliária e construção de edifícios foi o mais afectado, tendo registado, até 14 de Junho, 245 processos de insolvência, um aumento que ultrapassa os 53 por cento em relação ao primeiro semestre de 2009. Com a crise no sector da construção, as actividades imobiliárias e as actividades especializada de construção acabaram também por registar um aumento significativo de insolvências. Segue-se a Indústria do Vestuário com 162 insolvências, mais sete que em igual período do ano passado. Na Maia e até 25 de Junho, foram 51 as empresas que entraram em processo de insolvência. Seguindo a tendência nacional, a promoção imobiliária, construção de edifícios, e comércio por grosso, foram os sectores mais afectados.

No que se refere à criação de empresas, e de acordo com o Barómetro Empresarial da consultora Informa D&B, entre Janeiro e Junho deste ano foram constituídas 16258 empresas, menos 164 que nos primeiro semestre de 2009. Por outro lado, e no mesmo período, foram dissolvidas 5200 empresas, menos 11,7 por cento que no ano passado. Por outro lado, 5200 empresas foram dissolvidas nos primeiros seis meses deste ano, menos 11,7 por cento que no primeiro semestre de 2009.

FA