Moradores ajudam na recuperação das ribeiras dos Amores e do Arquinho

A Espaço Municipal e a Câmara Municipal da Maia estão a promover, mais uma vez, acções de sensibilização ambiental em alguns dos seus empreendimentos de habitação social. Foram preparadas duas acções. A primeira, decorreu na manhã do passado sábado, no Parque dos Amores, e para além dos moradores dos empreendimentos vizinhos, teve a colaboração do Projecto Lidador da Santa Casa da Misericórdia da Maia e da Corrente Rio Leça. A ribeira dos Amores, mais conhecida por ribeira do Boi Morto, atravessa o parque inaugurado o ano passado. Das 40 pessoas que se inscreveram para a iniciativa, faltaram cerca de 10, de acordo com o coordenador da acção, Artur Branco, engenheiro ambiental.

O ano passado, numa acção de sensibilização ambiental, os moradores limparam as margens da ribeira. Desta feita, “demos uma pequena palestra sobre a importância das aves insectívoras na zona ribeirinha e da sua conservação”, explica Artur Branco. Seguidamente, crianças e adultos foram convidados a construir pequenos ninhos, que foram instalados depois da limpeza do lixo que, entretanto, se foi acumulando nas margens desde a última iniciativa. “Tivemos o cuidado de serem as próprias crianças a escolher o local para cada ninho, como forma de incentivá-los a acompanhar o ninho e zelar pela sua conservação”, adianta o engenheiro ambiental. A ideia da palestra foi alertar e sensibilizar os moradores para a necessidade da “manutenção” do espaço e da margem do rio, e desta forma, alertarem a autarquia para situações que possam colocar em risco a preservação da ribeira e das espécies que ali vivem. Este sábado, a partir das 9h30, será a vez da ribeira do Arquinho, junto ao empreendimento da Vessada. A acção irá envolver a Maiambiente, Espaço Municipal e a Câmara Municipal da Maia, com colaboração dos moradores e dos trabalhadores da Maiambiente. Para além da limpeza das margens, os participantes vão ainda ajudar na identificação da fauna e flora local.

Ambas as acções inserem-se no projecto complementar ao Corrente Rio Leça, com o nome de Rio Leça – Corrente Social.
Na ocasião, será ainda formalizado um protocolo de “adopção” de 500 metros daquela linha de água, com os moradores do empreendimento de habitação social e com a Maiambiente. Na prática, os habitantes desta zona, ficarão como que “guardiões” da ribeira, fazendo monitorizações periódicas, da qualidade da água, da conservação das espécies existentes, com o acompanhamento técnico do Projecto Rios, que terá como missão a reabilitação de três quilómetros da ribeira do Arquinho.

A acção de sensibilização conta com o apoio das Juntas de Freguesias de Milheirós e de Gueifães.

Fernanda Alves