Projecto de saúde escolar pretendem incutir estilos de vida activos e saudáveis

Depois da assinatura dos protocolos com as entidades parceiras, há duas semanas, esta terça-feira, o pelouro da Educação da Câmara Municipal da Maia apresentou a cerca de 300 professores e educadores os projectos de Saúde Escolar que a autarquia propõe para o presente ano lectivo.
Numa primeira fase foram realizadas negociações junto dos agrupamentos que aceitaram o desenvolvimento dos projectos e fizeram candidaturas das turmas que estavam interessadas em determinados projectos. Esta semana, as explicações foram dadas aos docentes pelos técnicos que, depois, vão trabalhar no terreno com as escolas.

Os projectos destinam-se a enriquecer o currículo escolar dos cerca dos 7300 alunos dos jardins-de-infância e escolas EB1 do município da Maia e das crianças dos jardins-de-infância da Santa Casa da Misericórdia da Maia. Os primeiros surgiram já lá vão cinco anos e vieram para ficar, garante o vereador da Educação. Porque o objectivo, acrescenta Nogueira dos Santos, é continuar a apostar na prevenção para fazer da sociedade maiata uma sociedade mais activa e mais saudável. “Estamos convictos que nas crianças que é uma boa aposta para tornarmos o cidadão cada vez mais saudável e activo”.

Aos já conhecidos projectos de educação alimentar, higiene oral, prevenção solar e segurança alimentar juntam-se, este ano, os projectos de Terapia da Fala, Higiene Postural, Saúde Pública, Audologia e Saúde Ambiental. Os últimos três apenas surgiram depois da assinatura dos protocolos, a partir de conversações com a Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Porto. “São mais projectos de formação, não vão ter aplicação em turmas, vão ser mais generalizados e para todos aqueles que se apresentarem nessas formações” e em temas que estão relacionados com os actuais estilos de vida. É o caso dos projectos de saúde pública: “3C de Crescer – Criança, Cidadania, Comunidade”; de audologia: “Geração MP3 – POD ou NÃO PODE” e saúde ambiental: “Ambientes seguros e saudáveis”. “É a maior preocupação de todos, questões como as novas tecnologias, o ambiente e a saúde são problemas com que todos nós temos que nos preocupar e, portanto, na educação nada melhor do que falar sobre estes temas”, adianta Nogueira dos Santos.

Esta nova política de saúde escolar da Câmara Municipal da Maia resulta de uma série de parcerias estabelecidas com entidades de carácter público e privado com preocupações de promoção da Saúde Pública, entre as quai, ACES Grande Porto IV – Maia; CESPU (Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário); Faculdade Ciências de Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto; Instituto Superior de Saúde do Alto Ave; Liga Portuguesa Contra o Cancro; Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa; Grupo EsferaSaúde e Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Porto (ESTSP).

Isabel Fernandes Moreira