Centro Escolar da Gandra é um exemplo da educação do século XXI

A ministra da Educação, Isabel Alçada, esteve na Maia para inaugurar o Centro Escolar da Gandra, em Águas Santas. O estabelecimento está já em funcionamento, desde o arranque do ano lectivo, e por isso, a governante manifestou a sua satisfação por estar numa escola “que já está a trabalhar, em que os professores, os educadores, os funcionários já estão com as crianças, em que as associações de pais já estão a trabalhar e a ajudar a articular o trabalho da escola”.

Este é um dos três centros escolares construídos no concelho. Representa um investimento de aproximadamente quatro milhões de euros, tendo recebido uma comparticipação de 1,6 milhões de euros por parte do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN).

Durante a cerimónia, Isabel Alçada sublinhou a qualidade do ensino na Maia, um exemplo da educação que se quer para o século XXI. “Deve ser uma oferta educativa para todos, assegurando a igualdade de oportunidades, de alta qualidade. Esta escola demonstra isto. E basta ver como é a escola, como são as salas, como organizaram os espaços. Tem tudo aquilo que nós queremos para as gerações das nossas crianças”, salientou a ministra da Educação.
Deixou ainda elogios ao presidente da Câmara da Maia, Bragança Fernandes, pelo seu “conceito de educação”, pelo empenho na articulação com todos os agentes educativos, desde os professores aos pais e encarregados de educação, e organismos oficiais, onde se inclui a Direcção Regional de Educação do Norte. “É com essa abertura que se consegue um bom resultado, e para que a partir do conceito, do planeamento daquilo que é indispensável fazer, se passe à acção, se realize obra. E a obra está à vista”, sublinhou Isabel Alçada.

A ministra não deixou ainda de salientar o investimento que está a ser feito no país, na área da educação, “para que as escolas tenham muito mais recursos”. Um objectivo que só poderá ser alcançado através de uma maior ligação entre todos os organismos que trabalham em benefício da educação.

Para Bragança Fernandes, presidente da Câmara da Maia, a inauguração deste novo equipamento escolar representa “mais um passo na construção de um concelho melhor”. E adiantou que, no presente mandato, “o município da Maia prevê investir 25 milhões de euros em infra-estruturas e equipamentos de educação”. Só na área da educação, nos últimos anos foram requalificadas e ampliadas as escolas do plano centenário, beneficiadas mais de uma centena de salas de aula, construídas 18 novas salas do pré-escolar, e foram construídos três centros escolares.
Referindo-se ao novo centro escolar, o edil maiato afirmou tratar-se de “uma escola de vanguarda, com dimensões e recursos adequados ao sucesso educativo, onde o conforto e a comodidade, e o recurso a energias limpas e sustentáveis, fazem deste equipamento uma referência de qualidade”. “É uma escola onde é mais fácil alcançar o sucesso”, acrescentou.
O presidente da câmara aproveitou ainda para agradecer a “compreensão” dos pais para os atrasos na entrega de materiais e equipamentos, que acabou por condicionar o bom funcionamento da escola. Uma situação, entretanto, ultrapassada.

Valências

O novo Centro Escolar da Gandra tem como principal valências cinco salas de jardins-de-infância para 125 crianças, 12 salas com capacidade para 300 alunos do 1º ciclo do Ensino Básico, recreio coberto e parque infantil exterior, sala de informática, sala de educação plástica e biblioteca.
Dispõe ainda de um sistema de renovação mecânica de ar, que garante a qualidade do ar interior em todo o edifício, aquecimento das águas através de painéis solares e sistema de reutilização de águas pluviais, que são recolhidas numa cisterna, tratadas e reutilizadas na rede interna de descarga das sanitas e nas águas de limpeza exterior e regas dos espaços ajardinados. Possui ainda um polidesportivo exterior coberto apoiado por balneários e com dimensões para a prática de várias modalidades. E um pomar de agricultura biológica, onde se pode encontrar árvores de fruto, e onde foram plantadas ramadas de vinha, kiwis e maracujás com funções didácticas e paisagísticas.

Fernanda Alves