Santa Casa da Maia vai construir unidade de cuidados continuados

A Santa Casa da Misericórdia da Maia conseguiu um financiamento de 2,6 milhões de euros, ao abrigo do ON.2 – O Novo Norte (Programa Operacional Regional do Norte) para aplicar numa unidade de cuidados continuados. O projecto foi contratualizado esta quinta-feira de manhã, na sede da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N). Ao todo, 733 novas camas vão reforçar a rede de cuidados continuados da Região Norte.

Através de um investimento total de cerca de 6 milhões de euros, apoiado pelo ON.2 em 2,6 milhões, a Santa Casa da Misericórdia da Maia pretende promover a construção e equipamento de Unidade de Cuidados Continuados Integrados de Média Duração/Reabilitação e Longa Duração/Manutenção. De acordo com a provedora da Santa Casa, Maria e Lurdes Maia, “trata-se efectivamente de uma nova construção, dado que a instituição não dispõe neste momento de instalações que possa remodelar para este fim”.
No total, a infra-estrutura terá capacidade para acolher 60 utentes – 30 utentes em média duração/reabilitação e 30 em longa duração/manutenção – e visa a melhoria da qualidade de vida da população local, contribuindo para o reforço da rede de cuidados de saúde dedicados a pessoas dependentes.

Do pacote de nove intervenções contratualizadas esta quinta-feira, na CCDR-N, o projecto da Santa Casa da Misericórdia da Maia representa “o mais avultado apoio do ON.2”, diz a CCDR-N. Tendo em conta os valores envolvidos e a comparticipação comunitária, a instituição maiata encontra-se ainda a ponderar “cuidadosamente” as opções de financiamento.
Maria de Lurdes Maia acrescenta ainda que se trata de uma operação com prazo de execução de 24 meses, “não sendo possível prever datas de início ou prazo da empreitada, que dependerão do decurso do procedimento para a sua contratação”.

O “ON.2 – O Novo Norte” aprovou 19 novos projectos de construção, ampliação ou remodelação de unidades de saúde de cuidados continuados na Região do Norte, que representa a criação de 733 novas camas e um reforço da rede de cuidados de saúde dedicados a pessoas dependentes. O pacote de aprovações representa um investimento total na ordem dos 42 milhões de Euros, apoiado em 30 milhões pelo ON.2, através de fundos comunitários.

Face às necessidades estimadas pela Administração Regional de Saúde do Norte neste domínio, com estes 19 novos projectos a Região Norte garante assim 47 por cento das camas necessárias nas unidades de cuidados de longa duração (394 das 829), 22 por cento das camas em falta nas unidades de convalescença (105 das 484) e 91 por cento no caso das unidades de média duração (234 das 256).
As candidaturas foram apresentadas pelas Misericórdias de diversos concelhos da Região Norte, fundações, instituições particulares de solidariedade social, centros sociais, entre outros.
Segunda a CCDR-N esta aposta do ON.2 tem como objectivo melhorar a qualidade de vida das populações, a inclusão social e o desenvolvimento de redes locais de equipamentos e serviços de cuidados de saúde, em diversos pontos do território regional. “Uma prioridade que ganha particular relevo no actual contexto de envelhecimento populacional, associado à perda de autonomia”, conclui a nota do gabinete de marketing e comunicação da comissão.

Isabel Fernandes Moreira