ISMAI reforça número de alunos estrangeiros

O Instituto Superior da Maia – ISMAI – assinala na quarta-feira, dia 28 de Setembro, a chegada de mais um grupo de estudantes estrangeiros. São mais de 100, chegam à Maia vindos de universidades do Brasil, Espanha, Estónia, Itália, Lituânia, Polónia, República Checa, Roménia e Turquia para frequentar, durante um semestre ou um ano lectivo, unidades curriculares de licenciatura e mestrado, ao abrigo do programa Erasmus.

A cerimónia de recepção, marcada para as 10h00, deverá contar com a presença dos órgãos directivos do ISMAI e da Maiêutica e com a representação da Erasmus Student Network Porto, uma associação internacional que apoia activamente a integração dos estudantes estrangeiros em território nacional. Os novos estudantes terão ainda a oportunidade de desfrutar de um cruzeiro no rio Douro e da visita às caves do Vinho do Porto.

Foi em 1996 que teve início na instituição de ensino superior o programa Erasmus. Nessa altura, deu os primeiros passos na internacionalização. No entanto, nos últimos três, quatro anos a tendência de internacionalização “tem sido bastante mais vincada na medida em que, realmente o número de alunos, sobretudo alunos, mas também funcionários e docentes que recebemos na instituição tem vindo a crescer de forma exponencial”, justifica Liliana Marques do gabinete de Relações Internacionais.

Este ano, o instituto superior prevê ultrapassar os 100 alunos em mobilidade no ISMAI, que são provenientes dos mais diversos países, não só europeus mais também de fora da Europa, como por exemplo, de algumas universidades brasileiras com quem a instituição da Maia tem protocolos.
Mas o país de onde recebe mais alunos continua a ser da vizinha Espanha. Mas não só. “Recebemos também muitos alunos da Polónia, Lituânia, que são países em crescendo”, sublinha a responsável.
Na grande maioria procuram o principal curso do ISMAI – Educação Física e Desporto, embora já haja também “muita procura para o curso de Ciências da Comunicação e de Relações Públicas e para Criminologia também começam a aparecer”, enumera Liliana Marques.
Já o tempo de duração do programa fica um pouco ao critério de cada aluno. “Eles podem vir para fazer um semestre e depois decidir ficar mais um tempo e optar por fazer o prolongamento e alguns ficam o ano inteiro”, acrescenta.

O feed-back tem sido muito positivo e Liliana Marques acredita que é precisamente devido a essa experiência positiva que o ISMAI tem vindo a assistir a um crescimento exponencial da sua comunidade de alunos estrangeiros “porque realmente eles sentem-se muito bem acolhidos na nossa instituição e a regra geral, a experiência na totalidade é muito boa, não só a nível académico mas mesmo na experiência pessoal, a nível da cultura, a nível da sociedade, enfim é um novo mundo que se lhe abre portas durante o período em que eles estão cá connosco”. E é de tal forma positivo que há alguns casos de alunos que chegam ao instituto superior no âmbito do programa de mobilidade Erasmus e depois acabam por ficar.

Liliana Marques reconhece que a satisfação dos alunos acaba por ser publicidade positiva para o ISMAI. No entanto, como o ISMAI trabalha em rede com as instituições parceiras, anualmente, envia documentação de publicitação e marca ainda presença em algumas feiras de educação e semanas internacionais organizadas pelas universidades parceiras. “Mas eu diria que mais importante do que esses meios de divulgação e publicitação são as próprias experiências dos beneficiários que passam connosco a sua mobilidade”.

E se ao Ismai chegam anualmente estudantes oriundos de outros países, o número de alunos que vai da Maia para fora também tem vindo a aumentar. “A tendência é igualmente crescente”. Garante esta responsável. “O ano passado atingimos quase os 100 alunos em mobilidade, este ano pensamos mesmo ultrapassar a centena de alunos, portanto, podemos dizer que estamos numa situação mais ou menos equiparada tanto dos alunos que entram como daqueles que saem”.

Liliana Marques considera que ano após ano, a importância que os alunos atribuem à mobilidade Erasmus e o impacto que essa experiência tem para o futuro profissional e o futuro pessoal das pessoas que beneficiam do programa é cada vez mais reconhecido. E para o gabinete de relações internacionais do ISMAI “é muito prestigiante ver que cada vez mais as pessoas reconhecem a importância do programa”.

Isabel Fernandes Moreira