Juventude Popular defende redução de impostos camarários

A redução de impostos municipais é o pedido da Juventude Popular da Maia que consta num comunicado.

A JP considera importante alertar o poder local para a possibilidade de, em 2013, baixar a Derrama aplicada a pequenas empresas e empresários em nome individual, bem como reduzir a taxa de IMI aos prédios urbanos, tentando minorar as dificuldades, quer de empresas, quer das famílias, que estejam radicadas no concelho.

Manuel Oliveira, líder da JP / Maia, defende que a medida seria uma forma de “aliviar no que fosse possível as dificuldades com que se deparam as empresas e também as famílias”, já que, “historicamente, a Maia é um concelho que tem as taxas mais altas, a nível de Derrama e IMI”. A juventude popular considera que a medida é possível, “bastando que a Assembleia Municipal a aprove”.

A JP propõe a fixação da taxa mínima de Derrama em 0%, que actualmente está a 1%, para quem empresas e empresários que tenham rendimentos inferiores a 150 mil euros por ano. Para quem usufrui de mais rendimentos, os jovens populares apontam para uma redução da taxa máxima da Derrama de 1,5% para 1%.

Quanto ao IMI, a JP aconselha a uma redução dos 0,7 para os 0.4.

Como incentivo para a fixação de empresas novas na Maia, os jovens populares entendem ser “um incentivo” a Derrama ser fixada a zero nos primeiros dois anos.

São ideias que a JP explanou em comunicado e que vai publicitar junto da população e tentar também fazer chegar à próxima Assembleia Municipal da Maia, que deve ser marcada para o final deste mês.

Manuel Oliveira adiantou que a JP vai realizar “acções de rua em vários locais do concelho, no sentido de explicar estas ideias às pessoas, publicitar ao máximo as propostas, promovê-las junto do CDS para tentar que o partido leve estas propostas à discussão na Assembleia Municipal”.