JSD “orgulha-se e revê-se” na política de educação da Câmara da Maia

 

A aposta na educação é uma aposta no futuro, é uma aposta na juventude. A crise em que vivemos não pode justificar cortes irreflectidos na educação”. A afirmação surge num comunicado da JSD da Maia que, numa altura em que arranca o ano lectivo, aproveita para reflectir sobre o estado da educação e para louvar a Câmara Municipal da Maia, que segundo a estrutura, “tem, nesta matéria, sabido responder da melhor forma aos desafios que lhe são colocados”.

A JSD entende que numa altura de crise “profunda e aguda” como a que Portugal vive , é preciso reflectir e redefinir prioridades na vida colectiva. E considera que a educação é, “sem dúvida”, uma delas. “É uma prioridade social, política, económica e cultural”, justifica. Por isso, a estrutura defende um sistema educativo inclusivo, que promova a igualdade de oportunidades.

No contexto nacional, critica a política educativa do ministro da Educação, Nuno Crato, que a seu ver visa, “unicamente o corte cego na despesa e ameaça transformar o sistema educativo num mero sistema de ensino”. E vai mais longe dizendo que “a actual equipa governativa do Ministério da Educação não sabe qual é a missão da escola e dos seus diferentes intervenientes, num Estado de Direito Democrático”.

Na mesma reflexão, a JSD defende a Câmara Municipal da Maia, que em seu entender, tem procurado compensar o “desinvestimento” de que a educação está a ser alvo a nível nacional. “O executivo camarário maiato assume a educação como uma prioridade estratégica que permitirá assegurar um futuro melhor, representando, também, um caminho para o país sair da crise”.

E para justificar a sua afirmação aponta o investimento feito ao longo dos últimos seis anos, “na ordem dos 25 milhões de euros”, na requalificação e modernização do parque escolar maiato. Ao investimento em equipamentos, a JSD acrescenta ainda “o esforço” financeiro para continuar a facultar Actividades de Enriquecimento Curricular em Inglês, nas tecnologias da informação e cidadania, na expressão musical e na actividade física e desportiva, com a contratação de 140 docentes.

Estamos perante um exemplo concreto da concepção abrangente relativamente ao papel do sistema educativo no desenvolvimento pessoal e colectivo dos jovens alunos maiatos”. A terminar, a JSD Maia afirma que “orgulha-se” e “revê-se” nesta política educativa “que aposta no futuro e que promove a inclusão social e a igualdade de oportunidades, numa sociedade cada vez mais heterogénea”.