Opinião Victor Dias: Rui Moreira com o Porto ali tão perto

Em entrevista à Rádio 5, que tive o gosto de conduzir, Rui Moreira assumiu, em primeira mão, antes mesmo de ter recebido o apoio pessoal de Paulo Portas, facto que aconteceu uns dias depois na Póvoa de Varzim, a sua candidatura à Câmara Municipal do Porto.

O candidato revelou ser um profundo conhecedor da sua cidade, o Porto, mas não se ficou por aí e aprofundou também alguns dossiers pelos quais se bateu nas últimas duas décadas da sua vida, e que dizem respeito, não só à grande área metropolitana, mas igualmente a toda a região norte de Portugal.

Rui Moreira sabe de cor, tudo quanto respeita aos portos do Douro e de Leixões, ao aeroporto Sá Carneiro, ao turismo, à rede viária e aos seus constrangimentos, reportando-se ao tecido económico e à realidade social, com uma segurança própria de quem sabe do que fala.

Ao protagonizar uma candidatura oriunda da mais genuína matriz cultural do Porto, suportada na cidadania participativa de que os portuenses não abrem mão, o homem que habitualmente vê o Douro e a Ribeira, a partir do seu gabinete no Palácio da Bolsa, corre o risco de viver os próximos anos, vendo a avenida dos Aliados e a praça da Liberdade, do alto da Câmara Municipal.

ruimoreira

Baralhar

O combate político que espera Rui Moreira não vai ser nada fácil, tanto mais que a sua candidatura, entre outros estragos, vem baralhar os dados, criando dificuldades acrescidas, quer ao candidato gaiense, quer ao candidato socialista, muito marcado pelo seu currículo socratista.

Menezes e Pizarro têm em Rui Moreira, um fortíssimo concorrente, sem passado partidário a estragar a fotografia e sem qualquer possibilidade de colagem política, pois não se lhe conhece tais averbamentos.

Como sabemos, ao contrário do que valia noutros tempos, ter um currículo pessoal limpo de referências ao exercício de cargos políticos, é para a esmagadora maioria das pessoas, uma garantia real, no que respeita à coerência de pensamento, de discurso e sobretudo de acção.

Ar fresco

Estando as pessoas, como de facto estão, fartas de políticos carreiristas e manobradores dos aparelhos partidários, é bem possível que uma candidatura arejada e desassombrada, como a de Rui Moreira, seja encarada pelos portuenses como uma lufada de ar fresco que liberte o poder democrático das lógicas dos corredores, onde os comissários políticos cozinham os menus que depois são impostos ao eleitorado como factos consumados, condicionando a sua liberdade de escolha. Não é novidade para ninguém que os cardápios que são transpostos para os boletins de voto, na maioria das vezes, são uma espécie de fotocópias de outros actos eleitorais autárquicos. Nesse particular, o Porto e os portuenses, têm agora uma oportunidade de ouro. Se for esse o seu desejo, podem escolher um portuense de alma e coração que ama profundamente a sua cidade e o seu clube, portista “ferrenho” como é!…

Pese embora o facto de ser militante social democrata e apesar de não votar no Porto e na minha terra já ter bem com que me ocupar, afirmo com toda a convicção e frontalidade que se fosse eleitor na invicta, sem sombra de dúvida que votava em Rui Moreira.

Como é vulgo dizer-se no Porto, Rui Moreira é, realmente, um senhor!…

E o Porto precisa é de ter à frente dos seus destinos um senhor como ele…

Victor Dias