Campanha “Despir o Preconceito” seduz ruas do Porto

A campanha “Despir o Preconceito”, promovida em cooperação com a Associação Cancro com Humor, chegou às ruas do Porto com um objetivo bem definido.

O conceito que existe de que as doentes oncológicas são “coitadinhas”, que estão “mais frágeis, mais debilitadas” é o que a campanha no feminino ‘Despir o Preconceito’ pretende mudar porque, segundo Áurea Ferreira e Alexandra Teixeira, organizadoras da campanha, não quer dizer que com cancro “não possamos estar bonitas, não possamos encarar a vida de forma otimista, não possamos ser positivas, que não possamos viver a vida como uma pessoa ‘normal’“.

despirpreconceito

Imagem: https://www.facebook.com/despiropreconceito

A campanha nasceu de uma ideia do designer Filipe Inteiro que para tese de mestrado decidiu explorar a utilização da fotografia na comunicação social, nomeadamente a nível do design e propôs à Cancro com Humor a criação de uma campanha que já está nas ruas mais ou menos há quatro meses.

10 doentes oncológicas, 10 mulheres carecas, 10 fotografias, 10 frases motivadoras espalhadas a partir de hoje na cidade do Porto com o intuito de transmitir testemunhos positivos sobre o cancro, a quem está a passar por isso neste momento. As imagens apresentam apenas mulheres porque embora o cancro também afete homens, a perde do cabelo é algo que preocupa muito mais as mulheres, sendo sempre um choque mas a campanha pretende demonstrar que “as mulheres também ficam bonitas sem cabelo”, palavras das organizadoras.

‘Despir o Preconceito’ tem como lema ‘Ter cancro, não é ser cancro’ e é uma campanha sem fins lucrativos que funciona apenas com voluntários e com os apoios conseguidos através de empresas, incluindo a Canal 5, para que os cartazes espalhados nos mupis de cada cidade possam ser impressos. Também as câmaras municipais têm ajudado, cedendo gratuitamente mupis, ou seja, painéis de publicidade, gratuitamente.

A campanha está a ser divulgada apenas através de uma página da rede social Facebook com o mesmo nome e dos mupis expostos visto que esta é uma campanha visual mas as organizadoras querem “chegar mais longe” pois o feedback tem sido positivo. O próximo passo é “ir a escolas fazer palestras para abordar a temática de forma a desmistificar” todos os tabus que estão à volta do cancro.