11 é álbum de estreia de JJJJOÃO

Não, não me enganei. O nome do artista é mesmo assim, JJJJOÃO com 4 J’s.

Embora afaste de si quaisquer crenças em superstições ou exoterismos da numerologia, a verdade é que o seu álbum de estreia toma como título, o número 11. Segundo o músico, apenas por duas coincidências, a idade com que começou a compor as suas próprias músicas, e o número de faixas do álbum, que são precisamente 11.

Devo confessar que quando ouvi as 11 faixas do álbum 11, do compositor que começou a criar música aos 11 anos, tive mais do que 11 certezas de que estava diante uma música criada com talento, com muito pensamento musical, quer dizer, muita reflexão, mas também bastante experimentalismo.

No disco que está disponível para “download” na internet (http://jjjjoao.bandcamp.com/album/onze), encontramos temas cujos títulos variam entre o sugestivo e o estranhamente surpreendente, fazendo jus às ambiências harmónicas imaginadas por JJJJOÃO.

JJJJOÃO na Praça da Liberdade este sábado, na Rádio 5

Este sábado, às 13h00, na Rádio 5, no programa que realizo e apresento, JJJJOÃO revela muito de si, das suas raízes transmontanas, mais concretamente de Montalegre, mas fala essencialmente das suas influências culturais, artísticas e musicais.

Com apenas 18 anos de idade, este aluno da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, demonstra à conversa comigo, um pensamento crítico muito acutilante, uma consciência do Mundo e das coisas que denota já uma maturidade invulgar, sem embargo de ser suficientemente irreverente e inconformado.

Foto_João

João Gusmão, de seu nome próprio, assimila influências culturais e estéticas várias, mas de modo algum se deixa contaminar por qualquer ideia de mimetismo, aliás, a sua Música é exemplo disso mesmo, tal como a sua decisão de ser ele o seu próprio editor, como forma de garantir a sua independência criativa, controlando pessoalmente todos os aspectos da produção, não só os de natureza musical, mas também ao nível do design gráfico e distribuição. Este é um entendimento em que discordo do músico e compositor, na medida em que está com essa sua decisão, a privar muitas pessoas que por certo teriam o mesmo gosto que eu senti, ao ouvir a sua inspiradora Música.

Ouvindo as 11 músicas do álbum 11,é possível encontrar aqui ou ali, momentos de quase evocação e laivos da Música dos “Tangerine Dream”, dos “Yes”, dos “Doors”, dos “Cocteau Twins”, de “Pink Floyd” ou mesmo Klaus Schulze, mas nunca deixam de ser meras impressões, porque quando mergulhamos na densidade harmónica e nas estruturas rítmicas criadas por JJJJOÃO, depressa abandonamos essas tentativas de rotulagem, e percebemos que estamos diante uma Música nova, com assinatura e com identidade própria que rasga novos horizontes e cria os seus próprios caminhos, quiçá também inspirada pela força telúrica das serranias, pelas fragrâncias e texturas da terra e de todos os seres nela viventes, que de uma ou de outra forma, marcam os sentimentos de pertença que JJJJOÃO inculca na sua forma de ser, ver e estar no Mundo e na vida.

Recomendo vivamente, a quem quiser ouvir um jovem músico e compositor, que pensa, cria e produz Arte fora da caixa, que não deixe de sintonizar a Rádio 5, em 89.0Mhz, já este sábado, quando forem 13h00.

 

Victor Dias