Maia lançou 1º Encontro de Inovação Pedagógica

A Escola do Futuro pode ser um conceito bem diferente da Escola do Presente. O exemplo disso é melhor percebido se lhe contar que António Osório, da Universidade do Minho, realizou uma conversa telefónica em direto (via Skype), no Grande Auditório do Fórum da Maia e perante uma plateia de 750 pessoas, com um dos seus doutorandos, um palestiniano a viver na Finlândia, que é aluno da Universidade do Minho e Professor de uma Universidade de Gaza.

A forma como podemos utilizar as novas tecnologias para fins pedagógicos foi o cerne das conferências no âmbito do 1º Encontro de Inovação Pedagógica – SUPERTABi, que decorreu nos dias 5 e 6.

O evento desenvolvido pela Câmara Municipal da Maia em parceria com o Agrupamento de Escolas Gonçalo Mendes da Maia, reuniu cerca de 750 docentes, profissionais da educação e investigadores, num espaço de reflexão sobre as práticas letivas com recurso à utilização de dispositivos móveis através de cenários de inovação pedagógica.

Novos conceitos de aprendizagem para uma nova escola

Desses cenários fazem parte técnicas de aprendizagem à distância através do uso de aparelhos eletrónicos, como é o caso do Mobile Learning (aprendizagem móvel), o Flipped Learning (aula invertida), que é um modelo de inovação pedagógica que transfere a aprendizagem para fora da típica sala de aula, promovendo o desenvolvimento de novas competências cognitivas e Gamification, uma técnica que envolve design de jogos no processo de aprendizagem.

O projeto SUPERTABi foi pensado para incentivar os docentes a pensar em ambientes educativos inovadores, repensando o papel da pedagogia, da tecnologia e do design do espaço educativo.
supertabi2

É que a escola poderá ser diferente no futuro, mas é um conceito que deverá persistir. António Osório constatou essa probabilidade ao pedir a crianças de seis anos que desenhassem a escola do futuro.

A originalidade imperou com muita cor e inovações propostas no papel, mas nenhuma das crianças colocou em causa a existência da escola. Todas elas a reinventaram, mas nenhuma a negou.

Ascenção dos dispositivos móveis é uma realidade

É por entre os jovens que existe mais popularidade e familiaridade com os dispositivos móveis, que apresentam atributos cada vez mais potencializadores da sua utilização. “A ascensão dos dispositivos móveis é uma realidade, apresentando-se como dispositivos convergentes, portáteis e multimédia e representando um conjunto de alternativas que podem ser exploradas para a aprendizagem através de um modelo pedagógico denominado Mobile Learning”, refere a organização do encontro.

Está a nascer a sala do futuro na EB 2/3 da Maia

Benjamim Sousa, o diretor do agrupamento de escolas Gonçalo Mendes da Maia, adiantou ao Primeira Mão que faz parte da organização do encontro para lançar “uma pedrada no charco” na Educação, “colocando o enfoque na nova motivação para os alunos, porque o objetivo final é ter sucesso educativo”.

Na escola EB 2/3 da Maia está a ser criada uma “sala do futuro”, adiantou Benjamim Sousa, “as infraestruturas estão a ser colocadas e julgamos que até ao fim deste ano civil teremos a sala montada. Todas as turmas do 1º, 2º e 3º ciclos poderão ter tempo para trabalhar nesta sala”.

O novo espaço estará apetrechado com todas as novidades tecnológicas, assegurou o diretor, “desde computadores, tablets, mesas interativas, quadro interativo, pequeno auditório para apresentações multimédia”.

Na sala do futuro, com 100 metros quadrados, “há espaços para criar, comunicar, apresentar…enfim, os próprios alunos é que irão dinamizar os temas, sendo os professores apenas os motivadores do ensino”, frisou Benjamim Sousa.

A Câmara Municipal apoiou na parte de construção civil, sendo que os equipamentos ficam a cargo do agrupamento, que terá que conseguir apoios e parcerias junto de patrocinadores locais. Benjamim Sousa assegurou que o projeto “vai avançar de certeza”, contando também com o apoio da direção geral de Educação.

Angélica Santos