Pequenos Cantores da Maia: Um quarto de século a cantar e a encantar

Pequenos Cantores da Maia na Casa da Música

No próximo dia 1 de janeiro de 2017, o Coral Infantil Municipal dos Pequenos Cantores da Maia completa 25 anos após a realização do seu concerto de estreia absoluta em 1992.

Nos últimos anos, o grupo tornou-se uma embaixada artístico-cultural da Maia, sob a direção artística do maestro Victor Dias. Foi a concretização de um anseio de Vieira de Carvalho, que, no final dos anos 80, tinha em mente a criação de algumas estruturas artístico-culturais que representassem o município.

Fundaram-se o Órfeão Municipal e os Pequenos Cantores da Maia, deixando-se cair a ideia de criar uma fanfarra.

O Primeira Mão esteve à conversa com Victor Dias, que nos recordou a história e alguns dos momentos marcantes dos Pequenos Cantores da Maia.

Como surge o Victor Dias a diretor artístico dos Pequenos Cantores?

O então presidente da câmara fez uma análise do que existia nessa altura no concelho, nesta matéria, e certamente chegou rapidamente a mim. Creio que o processo terá sido idêntico ao que utilizou para escolher o meu colega e amigo Hermano Maia, quando fundou o Orfeão Municipal. O Hermano tinha uma vasta e rica carreira artística como regente de coros, era maiato e revelou-se a pessoa certa para o lugar certo. De certo modo, eu reunia as mesmas condições, averbava no meu currículo vários prémios como compositor de canções para a infância e dirigia um Coro Infantil, que tinha já um percurso artístico muito interessante, “Os Galfarritos”, com o qual gravei um EP com temas originais.
Lembro-me perfeitamente do fim de tarde de domingo, depois do futebol, quando bateram à porta de minha casa, o José Menezes e Vieira de Carvalho, para me fazer pessoalmente o convite, com vista a organizar e dirigir o Coral Infantil Municipal. Recordo-me de não ter de fazer perguntas, pois o Professor encarregou-se de se antecipar quaisquer dúvidas e esclareceu-me porque razão me queria a mim e o que pretendia que eu fizesse, dizendo-me que teria tudo o que fosse necessário para fazer esse trabalho, deixando claro que a minha resposta não tinha de ser dada naquele momento, mas só tinha duas alternativas, ou sim, ou sim…

Como foram selecionadas as crianças?

Primeiramente, fizemos uma grande campanha de divulgação junto das escolas do 1º ciclo do ensino básico, em todo o concelho da Maia. Foram ouvidas mais de mil crianças e de entre essas selecionamos 52 vozes muito afinadas, representando praticamente todas as freguesias. Começamos a trabalhar e, um ano depois, mesmo antes do concerto de estreia, apresentamo-nos perante o nosso patrono num pequeno concerto de boas festas, por ocasião do natal de 1991. Tradição que mantemos até hoje.

Uma história rica

Daí para cá, quais foram os momentos mais marcantes na carreira dos Pequenos Cantores da Maia?

É difícil escolher momentos marcantes quando já se tem um quarto de século de trabalho realizado. Mas há sem dúvida alguns momentos extraordinários, como por exemplo a tournée que fizemos na Finlândia ou a participação no “Music Magic Days Festival”, na Disneyland Paris, ou as nossas digressões por terras de Espanha e as várias que fizemos em Portugal, do Minho ao Algarve.
Também foram marcantes os projetos que produzimos, nos quais contamos com a participação de vários músicos portugueses de primeiríssima linha, como o Pedro Abrunhosa, o Rui Veloso, Manuela Azevedo, Rui Reininho, Nuno Guerreiro, Vozes da Rádio, Susana Félix, José Cid e muitos outros.
Não posso deixar de referir o magnífico concerto que demos na Sala Suggia na Casa da Música, no ano passado, com a Orquestra Filarmonia das Beiras, em que estreamos algumas obras minhas, tendo como convidados especiais, Luís Portugal, o tenor Carlos Guilherme e a soprano Isabel Alcobia. Esse foi, sem dúvida, um momento fantástico e inolvidável, com a sala repleta, para assistir a um concerto em que os Pequenos Cantores da Maia interpretaram obras inéditas, mas também obras-primas da música clássica e temas do cinema europeu e norte-americano. Foi um concerto que nos valeu excelentes críticas em diversos meios, mas muito em particular do diretor da Antena 2, que teceu comentários que nos encheram de orgulho e contentamento.
Também não esqueço o abraço e as palavras muito amáveis que o vice-presidente da Câmara, António Silva Tiago, me dirigiu no fim do concerto, em seu nome, mas também em nome do presidente, que, nesse dia, estava em Bruxelas ao serviço do Comité Europeu das regiões e que logo a seguir ao concerto me telefonou também, dando conta da sua satisfação pelos comentários que lhe tinham transmitido. Reportei estes gestos aos miúdos e eles ficaram felicíssimos… Estes gestos marcam sempre pela positiva e valem muito mais do que qualquer reconhecimento traduzido em objetos materiais. Estes gestos ficam no coração das pessoas.

Pequenos Cantores da Maia na Disneyland Paris

Como se consegue motivar crianças para permanecer num coro infantil, quando elas têm hoje ao seu dispor outros atrativos tão fortes?

Às vezes até eu me pergunto como é possível que mais de 50 crianças aguentem anos e anos numa instituição artística, sempre com vontade de fazer mais e motivadas para um trabalho que exige disciplina, concentração e entrega pessoal.
Em primeiro lugar, acho que tem sido muito importante, nos momentos de apresentação pública em que o nosso presidente está presente, as palavras de estímulo e entusiasmo que recebemos dele. Bragança Fernandes tem o dom de motivar as pessoas e, neste caso, as crianças e jovens, com palavras afáveis de incentivo e reconhecimento que também estende aos pais e famílias dos pequenos artistas. São palavras, mas que ditas por ele, no seu jeito muito próprio de ser e de estar, encontram eco muito forte e motivam de uma maneira extraordinária.
Não posso deixar de sublinhar que sempre que ele passa pelos autocarros da Câmara e o Coral Infantil Municipal está de partida para algum lado, ele entra, e tem sempre um afago para com as crianças, expressando de forma muito carinhosa o apreço e reconhecimento que nutre pelo seu trabalho. E isso tem um impacto fortíssimo neles…

Um património especial

Qual é o maior património dos Pequenos Cantores da Maia?

É difícil responder. Mas creio que, para além de um histórico riquíssimo de centenas e centenas de concertos e apresentações ao vivo, um palmarés televisivo extenso dá-nos um reconhecimento público nacional e até internacional que nos enche de imenso orgulho.
Por outro lado, ao longo destes 25 anos fomos construindo um património constituído por um repertório privativo feito de canções originais e obras completas com um forte pendor educativo, como é o caso das fantasias musicais “Eu e o meu amigo Planeta”, “Cristalina a gota d’água” e mais recentemente “Pzzim é um raio de energia”. Com estas obras temos compaginado a estratégia de promoção da qualidade de vida e eficiência ambiental que a Câmara Municipal da Maia tem vindo a desenvolver nestes 25 anos, com a atividade artístico-musical dos Pequenos Cantores.
É muito gratificante para mim, enquanto diretor artístico e compositor, constatar que estas fantasias musicais dedicadas à educação ambiental são muito solicitadas por outros municípios e imensas escolas por todo o país, para as utilizarem nos seus programas de sensibilização ambiental. Muitas vezes sou convidado para ir assistir a representações das minhas obras, em localidades longínquas, onde professores e alunos as recriam e encenam com muita graça e sabedoria.

Victor Dias

O que é preciso para poder fazer parte dos Pequenos Cantores da Maia?

Em primeiro lugar, é preciso ser maiata ou maiato, entenda-se ter residência no concelho da Maia. Depois é preciso ter entre 6 e 14 anos de idade e, por fim, é imprescindível ter capacidades musicais para cantar num coro, nomeadamente, afinação, boa memória musical, sentido rítmico e vontade de cantar em conjunto, aceitando a disciplina própria dessa atividade. É um serviço gracioso que a Câmara Municipal da Maia disponibiliza às crianças e famílias do nosso concelho, consecutivamente há 25 anos.

Inscrição nos Pequenos Cantores da Maia

Enviar um e-mail para: pequenoscantores@cm-maia.pt
Informação a enviar: identificação da criança (nome, data de nascimento, morada e contactos dos pais). Na resposta será convocado para a realização de um teste de admissão em que serão aferidas as aptidões musicais e, caso a criança seja aprovada, será admitida no Coral.