,

Maia com números de excelência no fomento da igualdade de género

A Câmara Municipal da Maia pretende divulgar o bom exemplo da igualdade em contexto de trabalho, tendo aproveitado o Dia Internacional da Mulher, a 8 de março, para inaugurar uma exposição fotográfica, no átrio da Torre Lidador, nos Paços do Concelho, intitulada “Maia = dade género”.

A mostra fica patente de 8 de março a 8 de abril e apresenta 14 fotografias, onde as mulheres que trabalham na Câmara foram retratadas pela câmara do fotógrafo Hermenegildo Figueiredo.

A Câmara Municipal da Maia tem um quadro de Recursos Humanos composto por 477 homens e 619 mulheres. Também no que respeita a representatividade em cargos de chefia, há superioridade de mulheres (12) em relação aos homens (10).

A inauguração contou com a presença do presidente da Câmara da Maia, Bragança Fernandes, de vários vereadores do executivo e de um convidado especial, Rui Nunes, presidente da Associação Portuguesa de Bioética e responsável pelo grupo de trabalho de elaboração e apresentação da Declaração Universal da Igualdade de Género à UNESCO.

“A Igualdade de Género diz respeito a todos”

Rui Nunes agradeceu a oportunidade de divulgar na Maia um projeto que coordenou, “envolvendo vários académicos e investigadores, e que se traduz numa proposta à UNESCO no sentido de que faça uma convergência dos diferentes instrumentos que existem na temática da igualdade entre homem e mulher numa Convenção internacional sobre Igualdade de Género”.

Os motivos para esse debate não assentam apenas na consolidação dos direitos das mulheres, tem um alcance mais avançado no horizonte da sociedade, declara Rui Nunes, “em boa verdade a Igualdade de Género diz respeito a todos, porque o modo como olhamos para o exercício da cidadania, as oportunidades que damos a homens e mulheres, mas também a pessoas com deficiência, com cor da pele diferente, a pessoas com orientação sexual diferente, é o modo como a sociedade se vai projetar no século XXI”.

Assim, avança Rui Nunes, “esta questão de igualdade de género tem a ver, no fundo, com uma conceção de sociedade, com o modelo de sociedade que Portugal está a construir no seio da Europa, mas em grande medida até está a construir em velocidade mais rápida do que os nossos congéneres europeus.”

O presidente da Associação de Bioética está consciente de que todos queremos “sempre mais e melhor, achamos que há focos de desigualdade a que não podemos ficar indiferentes”, no entanto, assevera que “podemos estar, coletivamente, enquanto povo, muito orgulhosos do que já conseguimos nos últimos 40 anos”.

Portugal apresenta proposta à Unesco de Convenção internacional

Rui Nunes deu como exemplo “um sistema nacional de saúde, em geral, do qual nos podemos orgulhar, que ultrapassou nos últimos rankings internacionais referenciais históricos como os SNS espanhol e inglês”.
Na educação, no ensino superior e na ciência também se verificam evidentes avanços, frisou o convidado, que avançou com mais alguns números de rankings onde Portugal se encontra: “estamos para além do 30º lugar em igualdade de género de acordo com o World Economic Forum”, mas a nível mundial, atingimos o “8º lugar no ranking onde vale a pena nascer mulher”.

Assim, de acordo com Rui Nunes, faz todo o sentido “que seja Portugal, com o alto patrocínio do Senhor Presidente da República, a fazer a proposta à UNESCO de que haja uma Convenção em que trate de afirmar que no plano dos princípios e dos valores cada um de nós, seja homem ou mulher, deve poder concretizar as suas aspirações e talentos e estar, portanto, numa genuína igualdade de oportunidades”.

Rui Nunes terminou com o desafio, que considera “alcançável”, de, “na próxima década, Portugal estar no 1º lugar no ranking da igualdade de género à escala internacional, acrescentando que faltam apenas trabalhar os âmbitos da “representação política e da participação na economia”.

Maia com políticas motivadoras da igualdade de género

Marta Peneda, vereadora dos Recursos Humanos da Câmara Municipal, referiu na cerimónia que esta mostra, “mais do que uma homenagem a todas as mulheres trabalhadoras do município da Maia, é uma forma da nossa autarquia se associar àquele que, em boa hora, foi considerado um desafio para a década pelo nosso convidado especial, Prof. Dr. Rui Nunes, a igualdade de género”.


A vereadora responsável pelos Recursos Humanos deu conta das políticas instituídas pelo executivo para uma “contínua aposta em: pugnar pela introdução de medidas que permitam uma cada vez maior valorização académica dos nossos quadros, como seja a concessão de estatutos de trabalhador estudante; introduzir novas formas de horário que fomentem uma maior conciliação da vida familiar com a vida profissional, como recentemente fizemos ao aprovar o Novo Regulamento de Horários de Trabalho, prevendo, pela primeira vez, novos horários, além do rígido; melhor, informar e incentivar o gozo de licenças de parentalidade; promover a natalidade como combate a outro grande desígnio, o que, de resto, já fazemos de forma muito simbólica com a atribuição dos kits de nascimento e envio de carta de felicitações”.

Dia com workshops dedicados às mulheres

A autarquia não ficou pelas imagens das mulheres e levou a efeito ao longo do dia iniciativas que se focaram no seu bem-estar. Exemplo disso foi um workshop que se realizou durante a tarde, no fórum da Maia, que consistiu numa sessão teorico-prática sobre o cancro da mama, com Fernanda Fernandes, médica oncologista da Unidade da Mama do Instituto CUF, e ainda dois workshops que aconteceram de manhã em parceria com a Beauty School Clarins.

Mulheres devem ser “respeitadas todos os dias”

Luciano Gomes, presidente da Assembleia Municipal da Maia, também se dirigiu às mulheres na exposição. O autarca há 27 anos afirma que não é muito ligado a dias “disto ou daquilo” até porque entende que o Dia da Mulher deve ser todos os dias, porque “devem ser respeitadas todos os dias, em todos os sítios e é essa maneira de estar na vida que eu professo”.

Bragança Fernandes referiu que este dia “merece respeito” e faz questão de oferecer um raminho de flores às mulheres, quer as que trabalham na Câmara quer outras, “mandei fazer 1400 raminhos”, revelou o autarca. Bragança Fernandes frisou que 56% do total dos funcionários municipais são mulheres e “se os outros concelhos trabalhassem como nós na igualdade de género éramos todos campeões”. Estes e outros números relativos à autarquia levaram Bragança Fernandes a afirmar sobre o município – “contribuimos para o pódio”.

No tratamento como presidente de Câmara, disse, “tento ser o mais correto possível com todos não havendo aqui desigualdades entre homens e mulheres, tenho muita simpatia por todos vós”.

Números da Igualdade de Género na Câmara da Maia

São mulheres:

. 56% dos Funcionários
. 62% dos técnicos superiores
. 57% dos dirigentes camarários

Angélica Santos