,

PCP questiona Ministérios da Saúde e do Ambiente

Ana Virgínia Pereira

O grupo parlamentar do PCP na Assembleia da República, por solicitação do PCP Maia, fez chegar ao Ministério da Saúde e ao Ministério do Ambiente, um conjunto de perguntas relativas aos casos de legionella detetados na Maia.

Os deputados pretendem com estes requerimentos “esclarecer a contradição de notícias que vão surgindo todos os dias na imprensa”.

No requerimento ao Ministério da Saúde, os deputados comunistas querem saber qual o ponto de situação relativo ao número de doentes afetados pela legionella; “que medidas estão a ser tomadas para assegurar que as pessoas com doenças do legionário tenham acesso aos cuidados de saúde eficazes, em tempo útil e com qualidade, bem como quais as medidas que estão a ser tomadas para responder a um eventual surto de legionella”.

Há ainda outras questões: “que medidas estão a ser tomadas para assegurar que os hospitais públicos dispõem dos profissionais de saúde necessários e “se há um plano de contingência previsto para estas situações” e, se sim, “se foi ativado”; “que diligências estão a ser tomadas para conter a propagação da legionella para evitar que se torne num problema de saúde pública”.

Os deputados enviaram ainda um requerimento ao Ministério do Ambiente onde pedem os seguintes esclarecimentos: “Está o Ministério do Ambiente em condições de afirmar que não há risco de contaminação pela doença do legionário, na empresa Sakthi, na Maia?”; “prevê este Ministério continuar a intervir nesta empresa, em termos de recolha de amostras para análise”; “que medidas vai o Governo adotar em termos de prevenção, monitorização e fiscalização para evitar que situações como esta, no futuro”.

Angélica Santos