,

Programa de férias do Fórum Jovem integrou 25 jovens

Entre 5 e 13 de abril, 25 jovens da Maia entre os 10 e os 16 anos tiveram oportunidade de preencher de maneira diferente e muito enriquecedora as suas férias da época pascal.

O grupo participou gratuitamente nas Férias Ativas Jovens promovidas pelo pelouro da Juventude e operacionalizadas em parceria pelo Fórum Jovem da Maia e a associação Jafetos. Houve ações muito diversas lúdicas e pedagógicas, que incluíram diversas visitas a alguns dos pontos de maior interesse na Maia.

Ação acompanhada pelo Primeira Mão

O Primeira Mão foi acompanhar uma das manhãs deste programa de férias, encontrando o grupo envolvido numa atividade orientada pela psicóloga Rosana Santos, responsável pelo Gabinete de Acompanhamento e Aconselhamento Psicológico e Pedagógico (GAAPP) da autarquia.

Relacionamento entre as pessoas, atividades sobre a diferença e a forma como cada um se sente quando é tratado de determinada forma, era o exercício com dinâmica de grupo em que os jvoens estavam envolvidos.

“Muitas vezes carregamos rótulos no nosso dia a dia e somos tratados de acordo com esses rótulos”, referiu a psicóloga, daí a realização deste “jogo” em que cada um fica associado a um rótulo. É uma forma também dos jovens se conhecerem melhor para partirem para uma segunda parte da iniciativa em que debatem um tema à sua escolha.

Pretende-se que “estejam à vontade para colocarem questões e debaterem os assuntos entre eles e com a psicóloga”. Na maior parte das vezes, os jovens preferem debater temas relacionados com as redes sociais, os afetos ou o bullying.

Rosana Santos afirma que existe sempre um propósito de que este tipo de sessões “seja, pelo menos, um ponto de partida para a reflexão sobre as relações interpessoais, em geral, porque no fundo é o que está no centro de todas as outras áreas da nossa vida”.

Férias gratuitas

Abílio Moreira, coordenador-geral do Fórum Jovem, afirmou ao Primeira Mão que é “aliciante receber estes jovens, porque percebemos as dificuldades que existem por parte dos pais em ocupar os miúdos nas pausas letivas. Foi a pensar nesse problema que construimos este programa, já que a Câmara Municipal tem muitos, mas, assim, conseguimos alargar o leque de abrangidos por este tipo de ocupação de férias”.

Para este responsável o “sucesso” do programa é “um dado adquirido, muito graças ao trabalho de entrega dos coordenadores e dos monitores voluntários, que conseguem emprestar a esta atividade um magnífico ambiente”.

A parceria com a Jafetos, frisou, permite uma nova dinâmica com os monitores voluntários e algum material, que ajuda na realização da atividade.

Jafetos dá mãozinha especial ao programa

Paula Sá, da associação Jafetos, entende que, como está “a apoiar jovens carenciados”, fazia todo o sentido pelo que um dos pontos iniciais deste nosso acordo com o Fórum Jovem fosse “incluir nas inscrições alguns dos jovens por nós apoiados”.

Paula Sá refere que a associação também tem “um banco de voluntários, que consegue prestar um apoio extra com os monitores desta equipa de apoio às férias”. Um dos exemplos desse trabalho de jovens voluntários é o do jovem João Soares, que regista em fotografia todos os momentos para o diário deste evento, publicado no facebook das Férias Ativas Jovens.

Angélica Santos