, ,

Município na rede de monitorização da Subsidariedade

Crises afetam as pessoas, e os Estados, sabendo dos seus efeitos no passado, criaram sistemas que permitem reduzir os danos humanos e na sociedade decorrentes de crises e outras transformações no quotidiano.

A Europa que conhecemos enfrenta um desafio gigantesco – de mostrar que o trabalho foi feito em nome das pessoas e na defesa da paz no continente. Por isso criou e reforçou as bases de um Estado solidário, e que apoia os cidadãos, tanto como as empresas, que são o garante de trabalho e do equilíbrio precário que temos.

No quadro das suas atividades no Comité das Regiões, a subsidiariedade é um dos temas centrais nestes tempos de crise, porque constitui o alívio imediato e a esperança para um amanhã melhor. Mas em crise este tipo de apoios e mecanismos tendem a ser menosprezados, senão mesmo anulados. Por isso pensar, refletir e agir em conjunto neste domínio é uma necessidade, mas também uma forma de defender quem precisa deste recurso, transitoriamente, para ultrapassar, dignamente a crise.

Por isso o município, na pessoa do seu presidente, integrou a Rede de Monitorização da Subsidiariedade «num esforço de apoio e procura de ver, dialogar e melhor agir em nome dos que precisam de voz, pedem auxílio e na dignidade da vida humana o merecem, enquanto cidadãos do maior e mais livre e democrático bloco do mundo – A Europa!», de acordo com o comunicado da Câmara da Maia.