,

Francisco Vieira de Carvalho propõe “Um Novo Começo”

Um Novo Começo é o lema da coligação Francisco Vieira de Carvalho 2017, que agrega PS e Juntos Pelo Povo (JPP), cujo acordo foi assinado no passado domingo, numa sessão que contou com a presença de Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, Élvio Sousa, secretário-geral do JPP, a que se juntaram ainda Manuel Pizarro, presidente da Federação Distrital do Porto do PS, e o ministro-adjunto que tem o pelouro das autarquias, Eduardo Cabrita.

“Hoje, passados 15 anos, depois de noutros tempos ter acompanhado o meu pai e ver o crescimento e a modernização deste concelho, reparo que a Maia está a andar a passo… E, portanto, senti que era o momento de avançar”, enfatizou Francisco Vieira de Carvalho na sua intervenção, que decorreu numa unidade hoteleira do centro da Maia.

Falando aos seus parceiros de coligação e a todos os candidatos que a integram, Francisco Vieira de Carvalho fez questão de lembrar a sua história de amor com a Maia, quando desde tenra idade acompanha o pai, já então presidente da Câmara, pelo concelho na vistoria a obras e no contacto com as populações.

Acompanhei o meu pai que via as coisas muito “à frente”

“Naquela altura, para mim, eram obras a mais, mas depois fui crescendo a perceber quão visionário era o meu pai, que pensava à frente 10 ou 20 anos. Tinha eu já 20 anos quando andei com ele por França, Espanha e Alemanha a ver estações de tratamento de águas residuais, redes de Metro e sistemas de recolhas de lixo”, recordou, acrescentando que é complicado ser visionário, como o foi o seu pai, pois as pessoas não compreendem a forma avançada de pensar e criticam: “devem lembrar-se que alguns diziam que íamos ter um metrinho”…

O candidato revelou que o pai o convidou para integrar as suas listas por duas vezes mas que recusou, decidindo não estar na vida autárquica enquanto o progenitor fosse “autarca no ativo”, para não ser identificado como “o filho de”.

“Sou o filho, de facto”

“Passados 15 anos, as pessoas continuam a dizem que é o filho de… Sou o filho, de facto. Com muito gosto sou o filho dele”, afirmou.

“Convidou-me duas vezes para trabalhar na Câmara e respondi sempre ‘não’, mas da última vez disse-lhe que não desejava estar na política enquanto ele se encontrasse no ativo. Hoje, passados 15 anos, acontece… sou candidato, com muito orgulho, à presidência da Câmara da Maia. Agora, depois do dia 1 de Outubro, vou estar em Lisboa e dizer que a Maia precisa das tais obras que estavam escritas e pensadas e passaram ao lado. Vou exigir apenas o que é nosso!”, disse Francisco Vieira de Carvalho.

“Quero obra” e “respeito”

Francisco Vieira de Carvalho quer “que a Câmara da Maia tenha voz ativa em relação ao metro e a tudo o resto”, porque gosta “muito de beijos e abraços”, mas quer “obra”. A Maia tem que recuperar a força reivindicativa e de influência, referiu o candidato, “lembram-se que o IKEA era para vir para cá”, a Câmara “piscou o olho” a uma grande empresa elétrica, a “Escola de Gestão do Porto também vinha para a Maia, a Tesla também. Não veio nada. O piscar de olho foi muito ao de leve. Houve outras empresas de TIC que estavam cá e saíram”.

E no caso do Metro, sublinhou, “fizemos a linha 1 e linha 2, sendo que a nova fase ia começar em 2006, ou seja, há 10 anos atrás, estamos ainda à espera. Sabemos que nos próximos 10 anos não vem e era uma obra chave. Não quero que a Maia venha antes dos outros, o que exijo é respeito, que a Maia tenha de novo respeito e que cumpram com a palavra dada. Não basta selfies. Diz agora a Câmara que a culpa é do governo de Sócrates, de facto ele trouxe os pórticos, uma coisa horrível. E agora, dizem que o António Costa também é mau, não faz nada. Mas entre os dois houve aqui algo, certo?”

Vieira de Carvalho afirmou que via várias vezes na Maia o líder do PSD, Passos Coelho, mas sempre “muito rápido, era bom em selfies, fantástico em abraços e beijinhos…obra, zero…amigos, isso não!”

Mensagem de “confiança” de Ana Catarina Mendes

“Francisco Vieira de Carvalho honra a memória do seu pai [José Vieira de Carvalho], que foi um grande autarca no concelho da Maia. O PS é um partido pluralista e capaz de reconhecer as diferenças, com abertura de espírito e a capacidade de encontrar alianças para governar, com o objetivo de todos dias transformar a vida dos portugueses numa vida melhor.

Em democracia há sempre uma alternativa e aqui na Maia haverá, com Francisco Vieira de Carvalho. Temos confiança no futuro e no nosso protagonista. Para o PS, é um orgulho estar com ele, cujo projeto político reúne todas a condições, tenho a certeza, para sair vencedor”, disse, na sua intervenção, Ana Catarina Mendes.

Élvio Sousa, do JPP, também não deixou de tecer elogios ao líder da coligação, salientando “a tranquilidade que o próximo presidente da Câmara da Maia, Francisco Vieira de Carvalho, transmite a todos os maiatos. A Maia ganhará, com certeza, com este novo projeto”.

Todos os candidatos assinaram os acordos de coligação e de ética

Além do protocolo de coligação, foi assinado um protocolo de ética pelos líderes dos partidos envolvidos e pelos candidatos aos órgãos autárquicos.

Na cerimónia de domingo foram apresentados os candidatos que acompanham Francisco Vieira de Carvalho à Câmara, bem como os cabeças de lista às Assembleias de Freguesia do concelho.

Equipa para a Câmara:

Sandra Lameiras, Andrade Ferreira, Jaime Bio, Helena Pedroso, António Ramalho.

Candidatos às Assembleias de Freguesia:

Águas Santas – Miguel Santos; Castelo da Maia – Fernando Ferreira; Cidade da Maia – Alberto Monteiro; Folgosa – Paulo Belmiro; Milheirós – Maria José Neves; Moreira – Mário Duarte; Nogueira e Silva Escura – Vítor Mota; Pedrouços – Carlos Caseira.

Angélica Santos