,

Esculturas de Robert Schad em exibição no centro da Maia

Robert Schad, escultor alemão nascido na cidade de Ravensburg veio para Portugal estudar, após ter conseguido uma bolsa na Escola Superior de Belas Artes do Porto, e acabou por ficar no nosso país. Atualmente partilha residência entre a portuguesa Chamosinhos e a localidade francesa de Lariens.

É este o artista que contribui para a nova instalação estética na Praça Doutor Vieira da Carvalho, na Maia, até março de 2018, através das suas três esculturas em aço maciço.

São peças que têm história para o artista, a todas dá nomes, “como se dá aos meninos e às meninas, estas são as minhas meninas!”…afirmou Schad na apresentação efetuada com os vereadores do executivo da Maia, na tarde da última segunda-feira.

O escultor idealiza as suas composições inspirando-se em histórias do quotidiano, das observações da natureza e das pessoas, que vai fixando na sua memória, no alinhamento ou no desenho dos dias…

Autor da cruz de Fátima tem maiato como parceiro de trabalho

Depois, apresenta a ideia em maquete com cerca de 50 cms de altura, no máximo, ao artífice maiato António Oliveira, fundador da empresa sediada em Milheirós, INDIMESA, com quem mantém uma cumplicidade artística há vários anos. Já a cruz do santuário de Fátima foi feita desta maneira, contaram os dois artistas. “Ainda António Oliveira trabalhava noutra empresa, entendemo-nos muito bem a trabalhar em parceria, depois o António saiu daquele espaço e fundou a INDIMESA e continuei a trabalhar com ele”, referiu Robert Schad.

O artista alemão está neste momento com um projeto grandioso em que mantém exposições em 20 localidades portuguesas, sendo a Maia um espaço importante, porque “é o único palco urbano para as minhas esculturas e estas adquirem assim uma dinâmica diferente”.

António Tiago, o vice presidente da Câmara da Maia, mostrou-se agradado por haver uma “envolvência estética mais valorizada com estas esculturas tão belas e que chamam a atenção dos maiatos e visitantes para o espaço público e urbano instalado no centro da Maia”. De resto, estas instalações prometem trazer muitos visitantes estrangeiros interessados em turismo cultural, dada a dimensão internacional deste artista, muito apreciado no âmbito da arte contemporânea.

Câmara interessada em adquirir escultura

Quer António Tiago, quer Bragança Fernandes, presidente da Câmara, mostraram a vontade de que pelo menos uma das esculturas fique no espaço maiato, para além da exposição, tendo António Tiago feito votos para que o artista “venha a ser generoso nas negociações com a Câmara”.

A ligação à INDIMESA vai continuar, garantiu o escultor. A empresa está nesta altura a proceder à aprovação na autarquia do seu processo de expansão, dado que António Oliveira refere que pretende transferir a fábrica para um armazém com o dobro da área (atualmente 600 metros quadrados) onde os 12 funcionários poderão aumentar a produção e até criar condições para aumentar os postos de trabalho existentes. O maiato refere que as solicitações para a arte de Robert Schad, principal cliente, são cada vez em maior número, o que justifica a expansão do negócio.

Angélica Santos