,

INEM sem pessoal e ambulância da Maia é afetada

“O INEM tem problemas de falta de pessoal. Há uma ambulância na Maia, mas caso haja um acidente os meios têm de vir do Porto. Ora, por estes dias, há milhares de visitantes nas festas do concelho.

Eu responsabilizo o Ministério da Saúde pelo que possa acontecer. Sabemos que há cortes de despesas, mas para a saúde tem de haver dinheiro.” A indignação foi manifestada pelo presidente da Câmara da Maia, Bragança Fernandes, na última sexta-feira, dia 7, altura em que a cidade estava no ponto alto das Festas à Senhora do Bom Despacho.

O autarca garantiu que ia pedir esclarecimentos à tutela, adiantando que o secretário de Estado adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, é da Maia e, por isso, “tem de dar o corpo às balas”.

“Não há pessoal para operar as ambulâncias entre as 16h00 e as 00h00. Mas já aconteceu o mesmo no passado fim de semana.

Alguém tem de se responsabilizar por isto. Isto é um caso de discriminação”, disse o presidente ao Correio da Manhã. O autarca indica ainda que já se tinha pronunciado publicamente sobre a deslocalização de meios do INEM no concelho e que lhe tinha sido garantido que tudo seria mantido.

O mesmo jornal informa que o INEM confirma que, “no mês de julho, em quatro turnos até à data, houve necessidade de deslocalizar a ambulância da Maia para o Porto por necessidade de reforço de meios de emergência no Porto” e que, “até ao momento, o INEM não tem conhecimento de qualquer falha no socorro”.

De acordo com o INEM, a Maia conta com um sistema de socorro “robusto”, composto não só pelos meios do INEM, mas pelas ambulâncias dos seus parceiros, bombeiros e Cruz Vermelha.