, ,

Real Confraria Gastronómica das Cebolas com muitos projetos para o futuro

Formalizada em 2015, a Real Confraria Gastronómica das Cebolas pretende tornar a cebola mais visível nos pratos da Maia e contribuir para dinamizar a economia local.

Ricardo Cruz é Grão Mestre Chanceler da Real Confraria Gastronómica das Cebolas, sediada no Castelo da Maia.

A confraria surgiu de uma ideia em novembro de 2014 e viria a ser oficializada por escritura pública em junho de 2015.

A partir da tradição da Feira das Cebolas, os fundadores consideraram que a confraria deveria defender objetivos ligados à preservação do nome e do produto tradicional, a cebola, bem como da história e património cultural e imaterial da vila do Castelo da Maia.

Um terceiro objetivo da confraria é a promoção da cebola na gastronomia. Ricardo Cruz refere que, em Portugal e na região, pode dizer-se que quase todos os pratos levam cebola, mas na maioria das vezes não está visível na apresentação do prato, sentindo-se apenas de forma subtil.

Uma das formas encontradas de publicitar a cebola tem sido a parceira realizada com a Escola Secundária do Castelo, que resultou num concurso direcionado aos formandos dos cursos profissionais de cozinha de escolas nacionais e estrangeiras.

Já se realizaram duas edições em que “foi notório o esforço dos alunos para dar um papel diferente à cebola, tendo sido desenvolvidos vários modos de confecionar, várias texturas, com inovação nos tons doce e salgado e até apresentação de sobremesa à base de cebola”, adiantou Ricardo Cruz.

Parceria com Secundária do Castelo da Maia

O Grão Mestre Chanceler regozijou-se por “em tão pouco tempo se ter conseguido iniciativas tão importantes como esta, dado que estas ações funcionam como um part-time para os elementos da confraria, que têm os seus empregos e a sua vida”.

Atualmente, a Confraria das Cebolas é constituída por 55 confrades, embora apenas um núcleo duro mais reduzido faça parte dos corpos dirigentes.

Além da parceira com a Secundária do Castelo da Maia, a Confraria das Cebolas estabeleceu parcerias com a Hortíssima, onde se fez representar e realizou show-cookings, e com a Cooperativa Agrícola da Maia nas Festas da Maia/Feira Agrícola, onde também apresentou a gastronomia à base de cebola.

Este evento foi importante, pois “fez a interação dos alunos, desenvolvendo um objetivo paralelo ao seu percurso escolar, dando-lhes experiência na avaliação e respetiva pressão do concurso”, refere o Grão Mestre Chanceler, que diz sentir-se satisfeito por ter contribuído para este aspeto formativo, que “deverá continuar”.

No próximo ano Confraria vai a Feira espanhola

Todos os fins de semana os confrades participam em eventos de confrarias congéneres e tem sido feito um grande esforço para dar a conhecer ao máximo a nova confraria das cebolas e, por outro lado, dar a conhecer “a nossa cultura e nossos costumes da Maia, promovendo o intercâmbio para que outras confrarias também venham depois aos nossos eventos”.

A par destas representações a Confraria das Cebolas vai estabelecendo parcerias regionais e nacionais com vista a organizar novos eventos, que também irão dinamizar a economia local.

A primeira atividade da Confraria no estrangeiro, será no próximo ano, adiantou Ricardo Cruz, “em maio, estaremos em Ourense, numa Feira de Gastronomia espanhola, em parceira com a Escola Secundária do Castelo e com o Turismo da Maia”.

Ainda no próximo ano, e em maio, irá ser lançado um concurso de petiscos com cebola, aberto a bares e restaurantes. “Queremos que haja muita adesão, pois é mais interessante e será algo importante para dinamizar a economia local”.

Com as mesmas parcerias, Secundária do Castelo e Turismo da Maia, a Confraria irá desenvolver a atividade “Há petisco na escola”. A Escola irá abrir as portas à população ao final da tarde (numa sexta-feira entre as 17h00 e as 20h00) para servir e degustar petiscos.

Documentário das tradições

Além dos eventos de gastronomia, a confraria também tem em mente avançar com uma “recolha dos ditos e histórias antigas que vai passando de pessoa para pessoa, que agora só existe na cabeça dos mais velhos, pois é conhecimento que não está escrito em lado nenhum.

Pretendemos ir ouvindo diversas pessoas, recolhendo material até para fazer um documentário, pelo que estamos a estudar novas parcerias com esse objetivo”, explicou o Grão Mestre.

“Temos outras atividades programadas, mas já é um calendário muito recheado, pois exige muito trabalho e a confraria ainda é recente”, referiu Ricardo Cruz.

Outra ambição da confraria é participar num futuro próximo da organização da Feira das Cebolas, atualmente a cargo apenas do Museu Municipal, no sentido de dar “o nosso contributo para que o evento possa evoluir para mais e melhor”.

III Capítulo

No dia 27 de agosto, a Confraria das Cebolas tem o seu principal Capítulo, assim se chama o evento primordial do ano da instituição, onde são entronizados os novos confrades. Desta vez, será o III Capítulo onde dão entrada novos confrades efetivos, que se distinguem dos fundadores, aqueles que fundaram a instituição.

Existem ainda os confrades de honra, em nome individual e em nome de uma entidade ou instituição, “como sinal de parcerias existentes e com quem a confraria tem uma ligação mais forte e faz questão de reconhecer”.

No III Capítulo serão entronizados 13 confrades efetivos e quatro de honra que “não são necessariamente pessoas do Castelo da Maia, mas podem ser pessoas ou instituições ligadas ao concelho da Maia, que tenham desenvolvido feitos importantes a nível desportivo ou cultural, ou ainda empresarial, que tenham significado para a Maia”, explicou Ricardo Cruz.

Angélica Santos