,

“Mobilidade sustentável há muito que faz caminho na Maia”, assegura António Silva Tiago

António Silva Tiago, vice presidente da Câmara da Maia e candidato à presidência da autarquia pela “Maia em Primeiro” (PSD/CDS) esclareceu, em entrevista ao jornal Primeira Mão, que a “política municipal em matéria de mobilidade tem sido das mais planeadas e consistentes, com decisões importantes por parte dos órgãos municipais, sobretudo ao longo dos últimos oito anos, e com especial incidência nos últimos 4.

Se as eleições fossem hoje, António Tiago seria eleito presidente da Câmara da Maia com 48,28% das intenções de voto


Destacando-se, mais recentemente, a contratualização com a autoridade de gestão do Norte 2020, de 12 milhões de euros apenas para o domínio da Prioridade de Investimento 4.5. Promoção de estratégias de baixo teor de carbono para todos os tipos de territórios, nomeadamente as zonas urbanas, incluindo a promoção da mobilidade urbana multimodal sustentável”.

Política há muito traçada e em execução

O município encontra-se tão só a executar, nos tempos previstos, e conforme oportunamente planeado, o que há muito traçou, e com total transparência, acrescentou o vice presidente, “com efeito, foi em janeiro de 2011 que iniciou os trabalhos de elaboração do Plano de Mobilidade Sustentável da Maia, cuja primeira etapa terminou em 2013, com a aprovação do mesmo, pelos órgãos executivo e deliberativo, Câmara e Assembleia Municipal, respetivamente, a 16 de maio e 26 de junho de 2013.

Este plano de mobilidade sustentável está totalmente disponível para consulta pública, acessível a todos os munícipes, no site do município. O mesmo é composto de 7 planos de ação, voltados para temas relacionados com a mobilidade sustentável, que necessitam de tratamento integrado, permitindo-nos destacar, de entre o rol de temáticas abordadas: o plano de transportes públicos; o plano ciclável; e o plano pedonal”.

Candidatura ao PEDU

O vice presidente explicou ainda que “estes planos temáticos, serviram de referência para a elaboração do PAMUS – Plano de Ação para a Mobilidade Urbana Sustentável, integrado no PEDU – Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano da Maia, aprovados em 2015 (reuniões de 8 e 30 de setembro, órgãos executivo e deliberativo, respetivamente), e que permitiram ao município ver aprovada a sua candidatura ao PEDU, com a já referenciada contratualização de 12 milhões de euros no domínio da mobilidade sustentável.

É neste contexto, isto é, de sentido de dever na execução do que foi oportunamente planeado e contratualizado, que o município se encontra a dar resposta aos compromissos assumidos, com a população e com as entidades financiadoras, elaborando, aprovando, candidatando e executando os projetos constantes do quadro de compromissos assumido”.

Projetos em execução

Assim, é ainda explicado que “de entre os cerca de 15 projetos contratualizados no domínio da mobilidade sustentável, constantes do designado PAMUS-PEDU, foram já concluídos os seguintes projetos, os quais se encontram em execução, com níveis diferenciados de realização: Criação de uma rede estruturada de infraestruturas de parqueamento para bicicletas e implementação de ações de sensibilização acerca da mobilidade sustentável; Prolongamento do Ecocaminho da Maia (Área de Acolhimento Empresarial da Maia I); Promoção da Segurança e Inclusão nos circuitos pedonais no acesso aos principais equipamentos escolares; Criação de percurso pedonal acessível e integração de percurso ciclável na Avenida Altino Coelho na Cidade da Maia; Criação de percurso pedonal acessível e integração de percurso ciclável na Avenida D. Manuel II na Cidade da Maia; Melhoria das condições de acolhimento das paragens de transporte público coletivo.

Numa fase menos desenvolvida mas com programação de finalização do projeto de execução e submissão das respetivas candidaturas até ao final do corrente ano de 2017, enumeram-se os projetos: Ciclovia Urbana do Centro da Cidade com ligação ao núcleo urbano do Castelo; e Ciclovia Urbana de Águas Santas; Melhoria das condições de coexistência dos modos suaves, no núcleo urbano (NU) da Cidade da Maia – 1ª fase; no NU de Águas Santas; no NU de Castelo da Maia; e NU de Pedrouços.

No que respeita à rede de transporte coletivo rodoviário, refere António Tiago que as medidas “identificadas pela referida força política não configuram nenhuma novidade, todas fazendo parte dos conteúdos do Plano de Mobilidade Sustentável do concelho da Maia, aprovado em 2013, e disponível publicamente, na componente, plano para o transporte público coletivo”.