,

22ª edição do Festival de Teatro Cómico da Maia à porta com novas gargalhadas

Sob o slogan “Tira-me tudo menos o teu riso”, um pequeno verso de um poema do chileno e Prémio Nobel, Pablo Neruda, decorrerá de 6 a 15 de outubro, mais uma edição do festival de teatro que promove o riso.

 

«Num tempo em que nós e o Mundo estamos  “perdidos” entre o medo do outro, das intempéries climáticas, do fanatismo e do terrorismo, da intolerância e do populismo que atravessa o discurso mediático numa nova desordem mundial, é bom saber que durante dez dias vamos ter em cena todos estes problemas que nos afligem, olhados, glosados e artisticamente trabalhados com humor, comicidade, ironia e irreverência por 24 companhias de teatro que, para além de Portugal, nos chegam das diversas geografias, numa espécie de todo o mundo em palco, que nos vão ajudar, apelando à nossa inteligência e capacidade de nos rirmos de nós próprios…»

 

São 31 espectáculos, do melhor que se faz hoje no nosso país e no mundo, para diversos gostos e públicos, dezoito (18) na rua e gratuitos. Os mais pequenos têm um programa especial aos sábados e aos domingos (16h00) no Auditório Exterior, e podem acompanhar os maiores diariamente nas sessões das 21h00 para se rirem em conjunto.

 

A sessão principal realiza-se sempre às 21h30 no Grande Auditório do Fórum da Maia e às sextas e sábados, pelas 23h30, no Centr’Arte, espectáculos no Café-Teatro.

 

A sessão de abertura realiza-se na sexta, dia 6, na Praça do Município, pelas 21h30, com a peça “Deshabitat” dos andaluzos “Vaivén Circo”, seguida pelo primeiro espectáculo no Grande Auditório, às 22h30: “Sabina” pela “Al Teatro”.

 

As 24 companhias e os artistas presentes, 9 de Portugal: Al Teatro, Boca de Cão, Eva Ribeiro, Companhia do Chapitô, Umbigo, Orla, Quatro Ventos, Oli & Mary e Peripécia, sendo as outras 15 estrangeiras.

 

Este FIT Cómico da Maia é mais uma vez uma iniciativa da Câmara Municipal da Maia em colaboração com o Teatro Art´Imagem, que assegura a direcção artística e a produção.

 

O vereador da Cultura da autarquia da Maia, Mário Nuno Neves, salienta que “já estamos na 22ª edição do FIT, que é já mais velho do que boa parte do seu público assíduo. Passados estes anos todos podemos afirmar, sem qualquer hesitação, que a poção mágica que tem assegurado tamanha longevidade – raríssima no universo das iniciativas culturais – tem sido precisamente o público”.

 

O vereador promete a mesma receita para este ano, “variedade e qualidade”.