,

José Alberto é o trabalhador-estudante que lidera a Juventude Popular na Maia

 

José Alberto, 25 anos, nascido no Porto (Paranhos), estuda Filosofia na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e trabalha como lojista. É militante desde 2013 na Juventude Popular da Maia, tendo sido vogal na última comissão política de Manuel Oliveira.

Entre 2013 e 2016 foi vice-presidente das comissões políticas lideradas por Ângelo Miguel, que ascendeu à presidência da Distrital, e desde de Janeiro de 2017 que é presidente da JP Maia, ao que acresce o cargo de vice-presidente na Distrital do Porto da Juventude Popular.

Como tem sido a ligação das estruturas aos jovens do concelho? Tem havido entrada significativa de novos militantes?

A minha ligação e a da minha equipa aos jovens maiatos é feita através de uma política de proximidade, por vezes invisível aos olhares mais desatentos, sendo nós uma estrutura que nos últimos 10 anos foi considerada por mais do que uma vez como a melhor concelhia nacional da Juventude Popular. Isto reflete o afinco e trabalho dos presidentes e das suas equipas ao longo dos anos, tendo militantes em todas as freguesias do concelho, sendo que se tratam de militantes ativos.

Pelas últimas listas de militantes, podemos aferir que a Juventude Popular da Maia tinha mais militantes que a JS e a JSD juntas, porém não entro em populismos, pautamo-nos por ter nos nossos quadros elementos válidos, com ideias interessantes e dispostos a servir os interesses da Maia, e nunca a servirem-se da Maia. No entanto, as portas da nossa sede encontram-se abertas para quem nos quiser conhecer, assim como ao nosso trabalho, sem pressão de ser automaticamente filiado.

Quais são as prioridades que tem implementado na JP?

Dando continuidade a um trabalho que vem sendo feito há alguns anos, o acompanhamento autárquico é fundamental. Nós, JP Maia, não nos lembramos só das autárquicas em 2017. Ao longo dos últimos quatro anos temos sido presença assídua nas Assembleias de Freguesia e Assembleias Municipais, realizado um acompanhamento bastante próximo das centenas de instituições do Concelho da Maia e ações de sensibilização sobre assuntos que se encontrem na ordem do dia, tanto a nível concelhio como a nível nacional.

A concelhia fomenta ações de formação dos seus elementos?

Sim, internamente através da realização de ações de formação a nível concelhio, ministradas por um elemento da estrutura do CDS ou da JP. A nível distrital, fomos presença assídua na Formação Autárquica Distrital de 2017, promovida pela Distrital do Porto da Juventude Popular, e que contou com a presença de grandes nomes da política portuguesa, nomeadamente deputados na Assembleia da República.

Por último, a nível nacional, o CDS em estreita colaboração com a JP, organiza a Escola de Quadros do CDS/JP, onde durante dois dias, os jovens da JP Maia têm a oportunidade de debater os assuntos mais em voga no momento.

A JP deu contributos para o programa de candidatura da Maia Em Primeiro? Quais?

Ao longo dos anos prestamos um contributo junto das instituições que possuem poder de decisão, como é exemplo o Conselho Municipal da Juventude, onde somos presença assídua, assim como junto das vereações.

Os contributos para a candidatura Maia Em Primeiro são, portanto, uma continuidade e não uma novidade ou uma exceção à regra. Porém, o nosso foco prende-se com a segurança dos maiatos, a falta de efetivos tanto na PSP como na GNR é uma problemática a que não somos alheios. A JP Maia estará vigilante em relação a esta temática e aos seus próximos desenvolvimentos.

Considera a Maia um município favorável à dinâmica para a Juventude, quer em termos culturais, quer em termos de incentivo empresarial?

O Concelho da Maia há muitos anos que é um modelo a nível nacional em quatro grandes áreas, nomeadamente na área da Cultura, do Desporto, da Educação e do Empreendedorismo. A título exemplificativo podemos referir a Bienal da Cultura Contemporânea, a exposição da World Press Photo, as diversas exposições que vão passando pelo Museu de História e Etnologia da Terra da Maia, os vários espetáculos, que tanto o Fórum Jovem da Maia e o Fórum da Maia recebem.

A nível desportivo, certamente que ainda ninguém se esqueceu do ano de 2014, em que a Maia foi a Cidade Europeia do Desporto, tendo recebido só nesse ano mais de 250 atividades de cariz desportivo. Contamos ainda com um centro de treinos de alto rendimento para árbitros de futebol.

A nível empresarial, a Maia tem um dos maiores tecidos empresarias da Área Metropolitana do Porto e de Portugal, com programas de incentivo como o MAIAFINICIA para as empresas, e o MAIAGO para os maiatos, para que possam qualificar mais e melhor.