,

Deputados do PSD questionam ministro do Planeamento sobre paragem das obras na Autoestrada A4

 

O grupo parlamentar do PSD, onde se inclui a deputada maiata, Emília Santos, dirigiu ao governo socialista um requerimento, no passado dia 12, em que questiona a razão da paragem das obras de alargamento da A4 entre os nós de Águas Santas (Maia) e Ermesinde (Valongo).

 

Dirigido ao ministro do Planeamento e Infraestruturas, o ofício lembra que «a empreitada de alargamento da Autoestrada A4, designadamente no sublanço que liga os concelhos da Maia (freguesia de Águas Santas) e de Valongo (freguesia de Ermesinde), constitui uma obra de importância estratégica, em termos de acessibilidades, para a região do Porto. Com efeito, sendo o tráfego médio diário no referido sublanço superior a 60 mil veículos, o trânsito automóvel resulta particularmente congestionado nessa via, principalmente nas denominadas horas de ponta, o que tem prejudicado significativamente os seus utilizadores, tanto particulares como entidades empresariais, entre outras».

 

E prossegue: «encontrando-se as referidas obras de alargamento da A 4 em curso há já quase dois anos, verifica-se, contudo, uma situação inaceitável, aliás denunciada pela própria comunicação social, qual seja a de as mesmas se encontrarem paradas desde há algumas semanas, após a construção do túnel de Águas Santas. Neste contexto, importa que o Governo promova urgentemente a retoma dos trabalhos de alargamento da referida via, não adiando por mais tempo a resolução de um problema que afeta gravemente uma parte não despicienda da população do grande Porto».

 

Assim, os deputados social-democratas querem respostas para as seguintes perguntas por parte do ministro Pedro Marques: «1 – Qual a razão que determinou a paragem das obras de alargamento da Autoestrada A4, designadamente no sublanço de Águas Santas, na Maia, e de Ermesinde, em Valongo?; 2 – Para quando pode assegurar o Governo que as referidas obras serão retomadas?; 3 – Quando prevê o Governo que as obras em questão estarão concluídas e o sublanço entre Águas Santas e Ermesinde finalmente alargado e aberto à circulação rodoviária?»