11 mil aderiram ao Teatro Cómico

 

Foram 11 mil os interessados em acompanhar o Festival Internacional de Teatro Cómico ao longo de 10 dias na Maia.

 

Termina no domingo, 15 de outubro, a 22ª edição do Festival Internacional de Teatro Cómico, uma organização da Câmara Municipal da Maia com produção e direção artística do Teatro Art’Imagem, que desde o dia 6, e durante 10 dias, apresentou trinta e um (31) espetáculos, 24 companhias, 9 de Portugal: Al Teatro, Boca de Cão, Eva Ribeiro, Companhia do Chapitô, Umbigo – Companhia de Teatro, Orla – Companhia de Teatro, Quatro Ventos, Oli & Mary e Peripécia Teatro e 15 estrangeiras.

 

De Espanha, os madrilenos dos Yllana em duas produções com os Primital Brothers e os Improclan, os andaluzes da Fundición de Sevilha e do Vaivén Circo, os galegos do Sarabela e das Excêntricas e ainda Enano e Angel Frágua, que estão a viver em Portugal.

 

Da Itália estiveram presentes Lucca Bellezze, Colectivo Clown e Il Cataldo, estes numa produção com a Irlanda, da Argentina a Cia Bipolar, da Nova Zelândia esteve presente Trygve Wakenshaw, que está atualmente a trabalhar em Inglaterra e da Suíça o Duo ComicCasa.

Espetáculos de teatro físico e visual, de música ou multi-comédia, de texto ou sem palavras, de improviso, de intervenção do público, de clown e circo contemporâneo, de câmara e de novas linguagens, de autores clássicos (Ésquilo, Cervantes, Diderot ou Teixeira Gomes) aos dramaturgos emergentes.

“Tira-me tudo menos o teu riso”, – o “slogan” desta 22ª edição de um poema do chileno e Prémio Nobel, Pablo Neruda. Num tempo em que nós e o Mundo estamos “perdidos” entre o medo do outro, das intempéries climáticas, do fanatismo e do terrorismo, da intolerância e do populismo que atravessa o discurso mediático numa nova desordem mundial, «foi bom sentir que durante dez dias tivemos em cena todos estes problemas que nos afligem, olhados, glosados e artisticamente trabalhados com humor, comicidade, ironia e irreverência.

 

Esta 22ª edição confirma a grande afluência de espetadores a este Festival, único do género em Portugal e um dos mais importantes do país tanto a nível de público como em presença de espetáculos e Companhias internacionais», referem os responsáveis pela programação do certame, o grupo de teatro Art’Imagem.