,

Aprenda a ajudar com o Dia Mundial dos Pobres

Pela primeira vez celebra-se, por solicitação do Papa Francisco, o Dia Mundial dos Pobres, no próximo dia 19 de novembro, sob o lema “Não amemos com palavras, mas com obras”.

Na Maia, a associação Jafetos resolveu organizar um programa próprio de sensibilização, em particular, dos mais jovens, levando a efeito um fim de semana com iniciativas solidárias e de angariação de bens alimentares para distribuir pelos mais carenciados.

Assim, no dia 17, às 21h30, na Igreja Nossa Senhora da Maia, terá lugar o concerto solidário “Pão para todos”, com o apoio da Amare – Associação de Música, Artes e Espetáculos. A Jafetos pede apenas que, como ingresso, cada pessoa entregue um bem alimentar.

Para o dia seguinte, 18 de novembro, às 21h30, a associação promove uma vigília solidária para assinalar o I Dia Mundial dos Pobres. A iniciativa está marcada para a Praça do Município e, mais uma vez, é pedido que cada participante entregue um bem alimentar.

No domingo, dia 19, pelas 15h00, terá lugar uma eucaristia no Centro Comunitário de Vermoim-Sobreiro.
“Acreditamos que este dia possa estimular toda a comunidade maiata a assumir a solidariedade e a caridade como cultura quotidiana, na partilha com os pobres como sinal concreto de fraternidade”, refere a equipa da organização.

Paula Sá, presidente da Jafetos, referiu ao Primeira Mão que, como o que se pretende é a sensibilização da população para a dádiva, entendeu que “um dia era pouco e resolvemos estender as iniciativas ao longo de três dias, dando oportunidade a várias pessoas de entregarem bens alimentares. E mesmo quem não puder participar poderá deixar o seu donativo com a Jafetos”.
A associação vai direcionar toda esta ajuda para o Centro Comunitário Vermoim-Sobreiro, que ajuda os mais pobres do concelho da Maia, são centenas de famílias que beneficiam desta mão amiga.

“O Centro Comunitário serve refeições todos os dias a várias pessoas e ainda presta apoio a famílias que frequentemente lhes bate à porta, fazem um trabalho extraordinário, pois há muitas famílias que também levam refeições para casa de forma discreta, ao ponto de muitos maiatos nem se aperceberem de que há tanta gente carenciada”, afirma o Padre Jorge Domingues, dos Missionários Combonianos, que também está a trabalhar nesta campanha da Jafetos.


Dar a conhecer a realidade

De resto o religioso salienta que esta campanha de sensibilização é importante pelo prisma de dar a “conhecer esta realidade, já que no dia a dia, a dádiva é feita de forma discreta”. No entanto, não deixa de ser importante, frisou, “a comunidade entrar em contacto com esta realidade”.

No seguimento deste pensamento, Paula Sá, deu conta que ela própria ficou “muito sensibilizada com o Centro Comunitário, gerido pela Santa Casa da Misericórdia, na recente visita que efetuou à instituição, pois não tinha conhecimento da dimensão do trabalho que é feito no centro, um trabalho excelente”.

O Padre Jorge Domingues sublinha que existe “alguma indiferença” por parte de quem passa todos os dias pelo bairro do Sobreiro, onde se localiza o Centro Comunitário, porque quando passamos por ali “é possível confrontar-nos com as dificuldades com as quais as pessoas vivem. Perante isto podemos, às vezes, ajudar apenas com um sorriso ou uma palavra, não precisamos de nos afastar das pessoas ou de ficar indiferentes. O Papa diz muitas vezes que do ponto de vista humano, podemos não ter nada material para dar às pessoas, mas basta um sorriso, um bom dia, que degela a apatia, que é o que mais fere os pobres”.


Desmontar ideias preconcebidas

Carminda Moreira, sócia honorária da associação Jafetos, salientou ainda que “é importante desmontar a ideia errada que existe do bairro do Sobreiro, um pouco ligada à delinquência. No bairro existem todo o tipo de pessoas como em todo o lado, mas temos que pensar que existem muitas pessoas que precisam e que merecem ser ajudadas. Aliás, ainda há dias foi notícia que à volta de cinco famílias por dia são despejadas de suas casas, é um facto geral na nossa sociedade. E no bairro do Sobreiro, as famílias escondem-se no seu estado de pobreza e muita da população desconhece que há centenas de pobres”.

Como há tantas ideias preconcebidas, a Jafetos lança o apelo para que não fique indiferente de 17 a 19 de novembro e aprenda a ajudar, afinal é um dos propósitos da instituição do Dia Mundial dos Pobres, em simultâneo, com o apoio que será dado a quem mais precisa.