,

Há três candidatos às eleições no PS da Maia

A 20 de janeiro vai ser renhida a eleição para o próximo líder da concelhia do PS na Maia.

O atual presidente da Comissão Política Concelhia, Jorge Catarino, ainda não deu a certeza se vai avançar, mas, ao que apuramos até ao fecho desta edição, já existem três candidaturas na calha.

Já confirmaram ao Primeira Mão que são candidatos, Paulo Rocha, atual líder da bancada do PS na Assembleia Municipal, e Mário Gouveia, responsável pelo Marketing do ISMAI e cabeça de lista do PS Maia à Câmara nas Autárquicas de 2009.

E, ao que apuramos junto de fonte socialista, deverá encabeçar outra candidatura António Ramalho, que figurou em sexto lugar na lista do PS/JPP à Câmara da Maia, não chegando a ser eleito vereador.

Mas Ramalho ainda não enviou qualquer confirmação ao Primeira Mão acerca da sua candidatura.

‘Afirmar e Valorizar o PS Maia’ é o lema de Paulo Rocha


Paulo Rocha divulgou publicamente, no dia 30 de novembro, a intenção da candidatura e em nota enviada à nossa redação refere que é importante refletir, pois «o PS vive hoje, na Maia, vários constrangimentos de natureza estratégica, sendo essencial que o período de debate interno se transforme num momento de reflexão sobre a abordagem ao futuro próximo, dada a importância acrescida que este apresenta para a construção de um projeto de governação para o concelho».

Acrescenta que a concelhia local não conseguiu atingir os seus objetivos perdendo autonomia: «Nas últimas eleições autárquicas, apesar do resultado expressivo obtido, o projeto autárquico que o PS integrou não nos permitiu atingir o objetivo central a que se propôs: vencer as Eleições Autárquicas.

Considero que, no decurso de todo este processo, o PS Maia não conseguiu equilibrar a sua atividade política, tendo permitido que a Coligação constituída se substituísse ao normal funcionamento do Partido, originando uma perda significativa de autonomia da nossa organização. A falta de autonomia a que o PS Maia foi exposto resultou numa desagregação dos órgãos, num afastamento da militância e da participação dos socialistas e na consequente ausência de representatividade nos órgãos autárquicos».

Perante esta conjuntura descrita pelo líder da bancada socialista na Assembleia Municipal, Paulo Rocha considera ser «fundamental que nas próximas eleições internas se afirme um projeto político alternativo, que surja da vontade inata de afirmar os valores e os princípios do socialismo democrático e que se alicerce na participação individual de cada um. Um projeto que reivindique a autonomia estratégica do PS Maia e que tenha como princípios a valorização das nossas bases e a afirmação do PS Maia como alternativa de governação no concelho da Maia».

Paulo Rocha entende estar em condições de «construir este projeto alternativo» e assim anuncia a candidatura com o «objetivo de Afirmar e Valorizar o PS Maia», como conclui na nota de imprensa.
A candidatura já abriu uma página no Facebook que pode ser consultada pelo endereço https://www.facebook.com/AfirmareValorizaroPSMaia/


Mário Gouveia afirma propósito de «restaurar a confiança e identidade» do PS

Mário Gouveia, que já liderou a Concelhia da Maia entre 2008 e 2010, candidata-se novamente “para restaurar a confiança. Unir todos militantes e reforçar o PS Maia. Quero também que os simpatizantes saibam que poderão ter de novo confiança no PS Maia”, confirmou-nos em nota de imprensa na quarta-feira, dia 6.

A sua candidatura é, frisou, «uma oportunidade decisiva para o futuro do PS Maia, como partido alternativo à maioria de direita conservadora que gere os destinos do nosso município, mas para isso necessitamos da participação ativa de todos os militantes, de modo a afirmarmos o PS Maia, reconquistando a sua identidade, perdida com a coligação criada para as eleições autárquicas de 2017. Necessitamos urgentemente de recuperar a nossa autonomia e independência em relação ao parceiro da coligação».

Após 10 anos de militância socialista e de ter sido vereador entre 2009 e 2013, Mário Gouveia mostra intenção de passar a reunir consenso e «diálogo com os partidos à nossa esquerda», insistindo num PS forte para a Maia, «um partido com identidade e livre» que possa «reencontrar a sua identidade», afirmou Mário Gouveia em nota de imprensa.

Jorge Catarino, o atual presidente do PS Maia, ainda está a ponderar se avança para uma recandidatura, após seis anos de liderança na concelhia da Maia, uma vez que afirma ter de dar mais atenção, nesta altura, a projetos da sua vida pessoal.