,

Apresentação do Centro Documental João Álvaro Rocha

No próximo dia 10 de janeiro, pelas 18h00, na Rotunda de Brandinhães, cidade da Maia, realiza-se a apresentação à comunidade do Centro Documental e de Interpretação Urbana João Álvaro Rocha.

Recorde-se que, no passado dia 17 de maio, o município maiato assinou um protocolo de cooperação com a família do arquiteto João Álvaro Rocha para a criação deste equipamento.

Quer a família do Arquiteto João Álvaro Rocha, prematuramente falecido em 2014, quer o município entendem que “a integridade e autenticidade do espólio só será preservada mantendo-se associada ao seu local de trabalho e criação, fazendo todo o sentido manter na cidade o acervo documental que a sustenta, permitindo o acesso público a este espaço e a este espólio”.

A família do arquiteto doou “os testemunhos da sua atividade profissional” para ficarem disponíveis neste novo espaço, “cujas instalações, mobiliário, equipamento e biblioteca, cede gratuitamente, por um período nunca inferior a dez anos, ao município da Maia”.

Este Centro Documental fica sediado no gabinete do Arquiteto João Rocha, na Rua Professora Carolina de Freitas Soares Carvalho, onde se concentra toda a produção arquitetónica daquele profissional, de um modo organizado e passível de ser consultado.

O espaço ficará aberto a escolas, facilitando a divulgação e induzindo o debate sobre a arquitetura, a cidade e o território.
No âmbito deste protocolo, a família dispõe-se ainda a colocar para consulta a biblioteca com mais de mil livros e revistas da especialidade.

Nome incontornável na História da Arquitetura

O arquiteto João Álvaro Rocha, falecido em 2014, é um nome incontornável na história da arquitetura portuguesa contemporânea e que exerceu grande parte da sua atividade profissional no município da Maia.

Para além da sua atividade como arquiteto, foi docente em várias escolas e universidades nacionais e fez do seu escritório a sede de uma oficina de investigação e experimentação, reflexão crítica e realização de projetos para todo o domínio abrangente da arquitetura – do objeto ao território.

Optou por sediar o seu gabinete de arquitetura, em 2001, num espaço localizado na Maia, projetado por Eduardo Souto de Moura, arquiteto de mérito indiscutível e internacionalmente reconhecido, de quem era amigo e com quem colaborou, em diversos projetos.

O trabalho do Arquiteto João Álvaro Rocha está intimamente associado ao concelho e à cidade. Na Maia ficam as suas maiores e mais complexas obras como toda a esteira de inserção urbana da linha verde do metro do Porto e os conjuntos habitacionais do PER, entre muitas outras, que testemunham um coerente percurso disciplinar e profissional comprometido com a cidade.