, , ,

Maia é terceiro concelho do distrito com empresas PME Excelência

O estatuto de PME Excelência 2017 foi atribuído a um total de 1947 empresas. Destas, 415 (21,3%) localizam-se no distrito do Porto. Do total de empresas com este estatuto no distrito do Porto, 38 (9,16%) têm sede no concelho da Maia.

Estes números representam um crescimento do número de PME Excelência a nível nacional de 9,01%, 11,26% no distrito do Porto e 2,70% no concelho da Maia.

Como se pode verificar, a Maia é o terceiro concelho do distrito do Porto com maior número de PME Excelência, depois do Porto com 78 e de Vila Nova de Gaia com 54.

O estatuto de PME Líder 2017 foi atribuído a um total de 7206 empresas. Destas, 1419 (19,7%) localizam-se no distrito do Porto. Do total de empresas com este estatuto no distrito, 150 (10,57%) têm sede no concelho da Maia.

Estes números representam um crescimento do número de PME Líder a nível nacional de 1,21%, 0,42% no distrito do Porto e um decréscimo de 6,25% no concelho da Maia. Também neste estatuto a Maia é o terceiro município do distrito.

O estatuto PME Líder foi lançado pelo IAPMEI em 2008, no âmbito do Programa FINCRESCE, com o objetivo de distinguir empresas com perfis de desempenho superiores, conferindo-lhes notoriedade e criando-lhes condições otimizadas de financiamento.

O grupo das PME Líder que apresente os melhores desempenhos será também anualmente distinguido com o estatuto de PME Excelência, criando condições acrescidas de visibilidade para estas empresas de perfil superior.
Das empresas localizadas na Maia, os ramos de atividade são diversificados, desde o ensino privado a produtos alimentares, farmácia ou metalomecânica.

“Queremos ser das comunidades com melhor qualidade de vida do país”

“Esta é a nossa grande praia, o nosso oceano Atlântico”, referiu António Silva Tiago ao Primeira Mão. O autarca entende que é nesta expansão empresarial que “nos devemos focar ajudando os nossos empresários e investidores a serem melhores, a terem mais empregos bem remunerados para a juventude. Só assim evitamos que os jovens emigrem e a fuga de talentos e competências”.

Se conseguirmos esse conforto das pessoas, “vem tudo por arrasto”, considera o presidente da Câmara: “se formos capazes de ser uma comunidade muito potenciada, que crie riqueza, conhecimento, se formos muito capazes intelectualmente, através do potencial do ensino e da educação, podemos ambicionar cada vez mais a ser uma comunidade com mais qualidade de vida e realizada. É isso que ambicionamos – ser daqui a 10 anos, senão a primeira, uma das três primeiras cidades ou comunidades com melhor qualidade de vida do país”.

E o que é que isto tem a ver com praia e mar? António Silva Tiago explica: “não fomos bafejados geograficamente pela sorte” de ter o atrativo da praia, que atrai facilmente o Turismo, então, “é preciso construir a nossa virtude, trabalhando todos os dias”.