,

CDU quer casas dignas para comunidade cigana da Lagiela

No âmbito das suas atividades de contacto com as populações, os eleitos da CDU na Assembleia Municipal da Maia, Alfredo Maia e Carla Ribeiro, e na Assembleia de Freguesia da Vila Nova da Telha, João do Couto Lopes, visitaram, no dia 26 de maio, a comunidade cigana na Rua de Lagielas.

Na visita também participaram as dirigentes da DORP (Direção da Organização Regional do Porto) do PCP, Teresa Lopes e Ana Virgínia Pereira, bem como outros ativistas. Na ocasião, os eleitos da CDU «confirmaram a grave situação em que se encontram 15 famílias, perante a falta de medidas – e até a indiferença – por parte da Câmara e da empresa Espaço Municipal», refere a nota de imprensa enviada à nossa redação.

Aquela comunidade está instalada, há cerca de seis anos, no n.º 610 da Rua das Lagielas, num conjunto de contentores de estaleiro. As condições destas estruturas – por corresponderem a utilizações precárias designadamente em cenários de grandes empreendimentos, como gabinetes em frentes de obra e alojamento de trabalhadores deslocalizados – estão longe de satisfazer as exigências básicas para habitação, muito menos habitação permanente.

Nesta, como em visitas anteriores, «a delegação da CDU recolheu testemunhos e verificou as deficientes condições de conforto e salubridade desse tipo de instalações – frias e húmidas no Inverno, quentes e igualmente húmidas no Verão – com sinais bem evidentes de degradação das paredes e estruturas metálicas dos contentores e dos móveis dos ocupantes».

A esta situação, acresce o que os comunistas denunciam como uma «deficiente drenagem de águas pluviais e a existência de condições para a propagação de roedores», algo que se agrava ao longo do tempo.

A CDU lembra «as garantias dadas pela Câmara da Maia e pela Espaço Municipal, em Fevereiro de 2017, de que os problemas de conforto e condições de salubridade e conservação seriam resolvidos».

Para a CDU, só há uma forma de resolver tais problemas: «a atribuição àquelas famílias de casas dignas – de casas verdadeiras! – e com as condições de habitabilidade correspondentes a padrões de qualidade próprios do século XXI e não a soluções eternamente precárias e concedidas por caridade pública».

«Conhecendo a realidade do “610” de Lagielas, a CDU contesta a classificação dada pelo presidente da Câmara, na reunião da Assembleia Municipal de 27 de Dezembro, ao justificar a criação daquele conjunto como “novas habitações, onde (as famílias) viviam com dignidade”.

Assim como rejeita as afirmações do presidente, segundo as quais “não são contentores, mas construções pré-fabricadas certificadas pelas normas do LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil)”, mas que “tinham surgido alguns problemas de condensação, estando a Câmara a avaliar a situação” e que “a Espaço Municipal estava a resolver”.

Durante a visita, a CDU inteirou-se de outros problemas da comunidade, incluindo ao nível da integração social, de entre os quais se destaca a falta de transportes públicos, nem mesmo qualquer solução para o transporte das dezenas de crianças e jovens que frequentam as escolas da zona, sendo assim privadas de meios e condições adequadas à sua integração e à igualdade de oportunidades no acesso ao ensino», pode ainda ler-se nesta nota de imprensa.

Considerando urgente a resolução destes graves problemas, os eleitos da CDU prometendo continuar a lutar por ela, nas próximas sessões da Assembleia Municipal e da Assembleia de Freguesia.