História dos brinquedos em exposição

A convite do Turismo da Câmara Municipal da Maia ao município de Valongo vai realizar-se uma exposição/venda de brinquedos de Valongo, no Maia Welcome Center, entre 1 e 24 de junho.

No dia 1, foi dinamizado um workshop de brinquedos de plástico promovido pela Bruplast/Júlio Penela. Neste mesmo dia, pelas 15h00, teve lugar a inauguração da exposição.

Estiveram representadas no evento a Bruplast, José Joaquim Moreira, Manuel da Rocha Ferreira “Encrenca” e Oficina de Artesanato César, nas vertentes de brinquedos de chapa, madeira e plástico.

O brinquedo tradicional de Valongo resulta da indústria do fabrico de brinquedo, que ao longo dos tempos usou diferentes matérias-primas: terracota, papel, madeira, chapa, celuloide e plástico, acompanhando o gosto as diferentes épocas. O que começou por ser uma forma de ocupar tempos mortos entre lides agrícolas e alegria dos mais pequenos, rapidamente se tornou uma fonte de rendimento.

Uns paus e tábuas afeiçoados e toscamente pintados deram origem a brinquedos populares, que reproduziam os usados nas tarefas quotidianas. A madeira deu lugar à chapa, muitas vezes reaproveitada de latas de óleo e conservas, que se transformou em veículos de todos os géneros para os rapazes; fogões e ferrinhos de brunir para as meninas.

O celuloide foi criado para satisfazer uma escassez de materiais durante a segunda guerra mundial. Foi de curta duração dada a sua fragilidade, mas deixou o caminho aberto para o plástico. Este foi e continua a ser a base de todo o tipo de criação do séc. XX, dentro e fora deste contexto, que viu multiplicar exponencialmente as suas formas, cores e funções.