Alberto Machado ganhou a Distrital também com apoio da Maia

Alberto Machado é o novo líder da distrital do Porto do PSD, ao vencer as eleições do dia 30 de junho, por apenas mais 44 votos (47,2%) do que o adversário mais direto, Alberto Santos (46,3%).

Estas eleições para a presidência da Comissão Política Distrital do PSD/Porto contaram com as candidaturas de Alberto Machado, líder da concelhia do Porto do PSD e presidente da Junta de Freguesia de Paranhos (Lista A), de Alberto Santos, advogado e ex-presidente da Câmara de Penafiel (Lista S), e do professor catedrático da Faculdade de Medicina do Porto, Rui Nunes (Lista V).

Alberto Machado conseguiu o maior número de votos nas concelhias de Amarante, Gondomar, Maia, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Valongo e Vila Nova de Gaia, alcançando, deste modo, a vitória no Distrito com um total de 2417 votos, contra os 2373 obtidos pelo seu principal opositor, Alberto Santos, e os 236 votos em Rui Nunes, numa eleição que contou com a participação de 5121 militantes.

O presidente eleito, Alberto Machado, mostrou-se, obviamente, muito satisfeito com o resultado alcançado. “Apesar de ter arrancado mais tarde, a nossa candidatura conseguiu uma dinâmica de vitória que é, em si mesmo, um excelente indicador para o trabalho que temos pela frente”, sublinhando ainda o seu agrado “com o sinal de grande vitalidade dado pelo partido, num processo eleitoral muito disputado, como, de resto, o resultado demonstra”.

A união do partido no Distrito que, de resto, já tinha estado na base da construção do projeto e da equipa (que integra elementos provenientes de todo o território) é agora o foco da nova comissão política.

“A partir de hoje, o que verdadeiramente importa é termos um partido unido em torno de uma distrital que seja capaz de concentrar a sua ação nos grandes objetivos que temos pela frente, desde logo, e no imediato, dar início à preparação do processo autárquico de 2021 e retomar o processo de criação do Conselho Estratégico Distrital. Isto, claro está, para além do total empenho no apoio ao Dr. Rui Rio na caminhada para a vitória nos processos eleitorais que se avizinham”, concluiu o novo líder da distrital social-democrata, que sucede no cargo a Bragança Fernandes, antigo presidente da Câmara da Maia.

Alberto Santos disse à Lusa que as eleições foram a prova da “democracia a funcionar”, desejando ao novo líder do PSD/Porto que “a partir de agora” consiga “unir o partido e construir uma nova energia para o distrito para que o partido consiga vencer as eleições que tem pela frente”.

“Foi uma grande mobilização do distrito e quero dar os parabéns aos adversários”, disse, acrescentando que o Porto tem agora de “ajudar o partido a vencer as europeias, as legislativas e trabalhar para as autárquicas”.
A Agência Lusa contactou a candidatura de Rui Nunes, que remeteu para um outro dia uma declaração.

Bragança Fernandes obteve 66,5% dos votos

Recorde-se que Bragança Fernandes liderava a distrital PSD/Porto desde 2016, ano em que sucedeu a Virgílio Macedo. O maiato candidatou-se numa lista única à Mesa do Plenário (Lista U), com apoio dos três candidatos à CPD, tendo sido eleito com 66,5% da votação.

Maia com representantes nos órgãos distritais

Alberto Machado também foi ganhador na concelhia do PSD Maia. 233 militantes da Maia votaram na lista A, enquanto 196 optou pela lista S de Alberto Santos. Rui Nunes conquistou apenas 22 votos na Maia. Houve ainda 5 nulos e 13 brancos para a CPD.

Para o CJD (Conselho de Jurisdição Distrital), a lista A teve 235 votos; a lista S conseguiu 195 ; a lista V apenas 20 votos; houve 3 nulos e 16 brancos.

Para a CDAF (Comissão Distrital de Auditoria Financeira): lista A – 235 votos; lista S – 191 votos; lista V – 25 votos; registaram-se 6 nulos e 12 brancos.

Para a Mesa: lista U obteve 319 votos; houve 19 nulos e 131 brancos.

Com este resultado entra para a nova equipa da distrital o secretário da secção da Maia, Orlando Leal. No que diz respeito à Jurisdição, Aloísio Nogueira, que encabeçava a lista A também venceu em casa por 50 votos, que em muito contribuíram para a sua eleição para presidente do Conselho de Jurisdição Distrital, para o qual também foi eleita outra maiata, Lídia Branco.

Fernando Pereira, também da Lista A, é o novo presidente da Comissão Distrital de Auditoria Financeira, tendo na Maia vencido com uma margem de 54 votos. Neste órgão não há nenhum representante da Maia.

Na lista de delegados da Maia à Assembleia Distrital os votos válidos foram 353, elegendo assim a totalidade da lista apresentada pela Comissão Política de Secção, e que incluiu, para além dos atuais a antigos dirigentes locais, representantes da JSD, MSD, TSD, Núcleos, Autarcas, bem como indicações das diferentes listas candidatas aos órgãos distritais, «numa clara mostra de unidade e abrangência de todas as sensibilidades dos Sociais Democratas Maiatos», refere fonte da concelhia maiata, que acrescenta: «a Maia foi a terceira secção com maior número de votantes, apenas suplantada por Gaia e pelo Porto. No final das contas está agora representada em 3 dos 4 órgãos distritais, sendo ainda de ressalvar que dois deles presidem aos órgãos aos quais se candidataram, facto inédito para a Maia e provavelmente único na história do PSD Porto».