,

World Press Photo regressa à Maia pelo 18º ano consecutivo

A Maia acolhe para a edição de 2018 a exposição ‘World Press Photo’, que é a maior e mais prestigiada exposição de fotojornalismo do mundo.

Todos os anos a mostra percorre cerca de 100 cidades, de entre mais de 45 países, estimando-se que seja visitada por mais de 4 milhões de pessoas no total.

Em Portugal, esta exposição apenas pode ser visitada em Lisboa e na Maia. A inauguração da Exposição ‘World Press Photo’ WPP 2018 tem lugar este dia 9 de novembro, pelas 21h30, no Fórum da Maia.

A edição de 2018 resulta de um concurso internacional que envolveu a participação de 4.548 fotógrafos, de 125 países, que no seu todo apresentaram a competição mais de 73 mil fotografias. Destas, foram premiadas 178 imagens, de 42 fotógrafos, de 22 nacionalidades.

As imagens premiadas distribuem-se por oito categorias – assuntos contemporâneos, ambiente, notícias gerais, projetos de longa duração, natureza, pessoas, desporto e notícias de última hora.

Nesta edição, o Prémio Fotografia do Ano foi atribuído ao fotógrafo venezuelano Ronaldo Schemidt, com a fotografia que regista o retrato de um manifestante em chamas, na Venezuela, durante uma manifestação contra o presidente Nicolás Maduro.

Segundo o vereador das Relações Internacionais da Câmara Municipal da Maia, Paulo Ramalho, contará para além de outras individualidades, “com a presença de uma Comissária da World Press Foundation e de representantes do Alto Comissariado para as Migrações e da Representação da Comissão Europeia em Portugal.

A exposição, de entrada gratuita, permanecerá patente nas galerias do Fórum da Maia até ao próximo dia 2 de dezembro, de terça a domingo, das 9h00 às 22h00.

Paulo Ramalho adiantou ainda que “a exposição deste ano comporta uma novidade, uma vez que aproveitando que uma boa parte das fotografias retratam acontecimentos especialmente marcantes, que ocorreram durante o ano de 2017 nos mais diversos recantos do mundo, e que apelam a uma especial reflexão, quer no domínio dos conflitos políticos, de atos de terrorismo, quer das desigualdades ou da violação dos direitos humanos, crises humanitárias ou problemas ambientais, a Câmara Municipal decidiu desta vez associar a exposição WPP à promoção da Agenda 2030 ,aprovada em 2015 pelas Nações Unidas, procurando mostrar como os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável estão relacionados e retratados em algumas das fotografias premiadas”.

Assim, a autarquia procura “sensibilizar cada um de nós, enquanto simples cidadãos, para o desafio de prestarmos o nosso pequeno contributo para a construção de um mundo mais justo e socialmente, economicamente e ambientalmente mais sustentável”.

A WPP Maia 2018 contará com o patrocínio da LIPOR e da Maiambiente, que divulgará a exposição nos painéis de 4 das suas viaturas de recolha de resíduos sólidos, ostentando 8 das fotografias premiadas.

Por último, o Vereador Paulo Ramalho referiu que à margem da exposição WPP, irá decorrer na manhã do próximo dia 17, no salão Nobre da Câmara Municipal, uma conferência sobre o tema “A Europa entre o Nacionalismo e a Integração” e que contará com intervenções de Paulo Rangel, Bernardo Ivo Cruz e Fernando Jorge Cardoso.

António Silva Tiago, presidente da Câmara Municipal da Maia, numa declaração pública afirmou: “…a Wordl Press Photo é a meu ver um eficaz abanão das consciências dos cidadãos livres e democratas que através destas impressionantes imagens tomam contacto com uma realidade mundial que se revela cada vez mais cruel, desigual e injusta.

Sempre que visito a WPP sinto-me invadir por sentimentos muito fortes que me despertam para a necessidade de intervir enquanto responsável político, mas sobretudo como cidadão responsável, fazendo tudo o que estiver ao meu alcance para que localmente possa dar um contributo com impacto global que ajude a evitar tanto sofrimento, tanta injustiça e tanto desnorte, como acontece por exemplo a nível ambiental.

Confesso que estas 18 edições consecutivas que a Maia acolhe ajudaram-me a entender melhor os altos riscos que os jornalistas, e em particular os fotojornalistas enfrentam por esse mundo fora, para trazerem até nós a verdade e as imagens do que se passa.

Por isso considero que visitar esta exposição é prestar uma justa homenagem a todos esses profissionais que arriscam até a própria vida para que o mundo seja mais transparente e a verdade se revele tal e qual é…”.