,

MAI Bairro é um projeto de integração no Sobreiro

No âmbito do Contrato Local de Segurança da Maia – o MAI Bairro, promovido pela Câmara Municipal da Maia e pelo Ministério da Administração Interna, realizou-se no dia 29 de outubro, a apresentação de trabalhos que envolveram a comunidade: um filme e duas exposições de fotografia.

A Secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, esteve presente e mostrou-se satisfeita pelos resultados que o projeto está a obter junto da comunidade.

Isabel Oneto esteve presente no bairro do Sobreiro há dois anos para apresentar este projeto do Contrato Local de Segurança da Maia. Agora, de volta à Maia, no Auditório Venepor, a governante ficou agradada ao observar a evolução que já aconteceu envolvendo a comunidade.

“É gratificante na medida em que ainda estamos a construir um caminho, que sabíamos que demora muito tempo a implementar, pois são projetos com um prazo muito longo de concretização. Mas conseguimos estar a envolver não só os serviços desconcentrados, os serviços municipais, os parceiros de associações locais e os moradores, num projeto para tornar o bairro num local que seja da comunidade que lá vive, que quem lá vive sinta o espaço como seu”, afirmou Isabel Oneto à imprensa da Maia presente neste evento, como foi o caso do Primeira Mão.

“Creio que o filme que aqui passamos demonstra isso mesmo, que estamos a fazer esse caminho. Ainda não há resultados no sentido de termos chegado ao fim de um processo, mas já começamos a ver algum dinamismo à volta do bairro e envolvência da população”, apreciou a Secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna.

Isabel Oneto ficou satisfeita por verificar, através de um pequeno filme promocional da Câmara Municipal que foi mostrado, a integração neste projeto das obras profundas de requalificação no bairro, intervenção que constitui “um dos eixos do Contrato Local de Segurança, com as atividades que temos vindo a desenvolver com o Centro Comunitário, o que nos permite a todos congratularmo-nos com o trabalho de muita parceria, muito coletivo entre todas estas entidades”.

Este é um trabalho que não tem resultados visíveis de imediato, o que de resto, “é um primeiro alerta que temos que dar às pessoas, sendo necessário que estas conheçam e participem na procura de soluções. Estamos a replicar este modelo em vários pontos do país e creio que é um caminho que temos que continuar a seguir”, frisou Isabel Oneto.

Jovens ‘cineastas’

A sessão aconteceu no Auditório Venepor e contou com a participação de muitos moradores do bairro do Sobreiro. Na ocasião foi exibido um documentário sobre o Bairro do Sobreiro elaborado em colaboração com a Rede Europeia Anti Pobreza. A particularidade da curta-metragem realizada por Ana Clara Roberti é que contou com a recolha de imagens por quatro jovens moradores, sinalizados como pertencendo ao grupo de jovens em risco e que foram integrados no projeto.

A realizadora referiu que “valeu a pena fazer este filme, acima de tudo, para conhecer melhor as cerca de mil pessoas residentes no bairro, representadas no trabalho pelos moradores entrevistados e por estes jovens que tiveram o papel de desvendar o bairro”.

Jovens e idosos no foco do Centro Comunitário

Mário Figueiredo, coordenador do Centro Comunitário, declarou que o trabalho este ano tem-se focado muito nas ações junto dos jovens, bem como dos idosos isolados em casa.

“Há 17 idosos que agora saem todos os dias de casa para irem às atividades no Centro e têm uma motivação para não saírem de casa apenas de roupão e chinelos, como faziam anteriormente. E também estamos a iniciar o trabalho junto da comunidade cigana, que constitui um universo diferente, mas já temos um trabalho inicial importante e que resulta nalguma cooperação, exemplo disso é aqui no nosso espaço de buffet, estarem presentes os bolinhos feitos pelas ciganas”, salientou Mário Figueiredo.