,

Já todas as crianças têm manuais escolares digitais

No último dia 14, a vereadora da Educação da Câmara da Maia, Emília Santos, deslocou-se ao Jardim de Infância da ASMAN, onde procedeu à entrega da última remessa de manuais digitais às crianças do concelho.

Um ato simbólico que representou o fim da entrega desta ferramenta digital, que tem sido distribuída por todas as crianças da rede pública e solidária, desde o pré-escolar ao 1º ciclo.

Trata-se de uma plataforma de aprendizagem colaborativa a que o município chama Participa+, que possibilita o envolvimento das famílias nas aprendizagens escolares, assim como de temáticas complementares como sejam a Educação Ambiental, a Cidadania, o Património Local, a promoção da Igualdade de Género e a Educação para a Saúde.

Desde o início do ano letivo até ao momento, foram contempladas as cerca de 7 mil crianças da rede pública na Maia, dos 3 aos 10 anos (pré-escolar e 1º ciclo), e ainda cerca de 500 crianças do pré-escolar da rede solidária entre os 3 e os 6 anos de idade.

Emília Santos explicou que esta ferramenta é um autêntico manual escolar, que acompanha “o programa e que, todos os anos, vai tendo atualizações”.

A ferramenta também tem a particularidade de ser desenhada de acordo com as idades das crianças, sendo que os manuais do pré-escolar “são muito mais interativos, mais voltados para a brincadeira, enquanto no 1º Ciclo já existem programas que incluem história local, referências a monumentos, património, espaços que podem visitar com os pais, a par de ferramentas voltadas para trabalhar temas como Cidadania, Igualdade de Género, Direitos dos animais, sempre de uma forma muito lúdica, sem agressividade e respeitando os princípios de cada um”.

A vereadora entende que esta é “uma forma muito dinâmica de chamar as crianças à realidade e a um conjunto de situações que estão na atualidade, são emergentes, como direitos dos animais e até o bullying ou violência na escola. Desta forma os ensinamentos têm mais impacto na prevenção de alguns comportamentos, pois as crianças tendem a apreender mais facilmente os temas através desta ferramenta e desta forma lúdica, do que até vindo do próprio educador”.

Por outro lado, o facto de as crianças poderem interagir sobre estes temas em casa, com os pais, é muito positivo, considera Emília Santos, que adianta que “se voltam a promover os jogos em família, porque os pais em casa podem colocar a palavra passe e aceder de imediato à plataforma. Os pais têm achado muita piada”.

A vereadora garante que a plataforma tem sido muito utilizada em casa, sendo uma ferramenta muito “útil e de uma grande oportunidade”. Acima de tudo, “é importante que as crianças possam aprender brincando”, sublinhou Emília Santos.

Na ASMAN foram entregues os manuais digitais a 46 crianças de duas salas. Natércia Oliveira, a educadora que rececionou os manuais com as crianças referiu que estes contêm “uma série de atividades extremamente educativas, nas diferentes áreas de conhecimento como Matemática, Linguagem, e tem ainda atividades interativas, que podem realizar em casa com os pais”.

Como estas crianças estão “muitas despertas para novas tecnologias, o nível de concentração para aprenderem com estas ferramentas é muito maior”, referiu a educadora da ASMAN.