, ,

Maiatos vão poder sorrir com maior satisfação

Será possível em 2019, no concelho da Maia, ir a uma consulta de Dentista dentro do Serviço Nacional de Saúde (SNS).
A Câmara Municipal da Maia assinou esta segunda-feira um protocolo com a ARS Norte, possibilitando a abertura de dois consultórios de Dentista, um na Unidade de Saúde do Castelo da Maia e outro na de Águas Santas.

António Silva Tiago, presidente da Câmara da Maia, assinou o acordo juntamente com mais nove municípios na ARS Norte, numa sessão presidida pelo presidente daquele organismo público, Pimenta Marinho. Com os protocolos assinados em proximidade com as autarquias, já é possível, sublinhou Pimenta Marinho, fazer chegar a Saúde Oral a 1,5 milhões de cidadãos dos 3,7 milhões inscritos na ARS Norte.

Fazem parte deste último protocolo deste ano do Programa Saúde Oral para Todos (da ARS Norte) os municípios: Amarante, Armamar, Baião, Guimarães, Mesão Frio, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Maia, Vizela e Fafe.

António Silva Tiago, presidente da Câmara da Maia, afirmou ao jornal Primeira Mão, que “havia um certo acomodar na forma de pensarmos nesta questão. De facto, interroguei-me muitas vezes porque é que a Saúde Oral não fazia parte do Serviço Nacional de Saúde. Não encontrava lógica, é porque era assim, ou porque não havia dinheiro…as razões nunca eram convincentes”.

Assim, hoje em dia, diz Silva Tiago, este acordo “foi uma pedrada no charco em que os municípios estiveram na linha da frente. Obviamente que o poder político ao nível central também teve o seu papel, mas os municípios também fizeram parte desta conquista. Fico contente que isto aconteça, até porque o nosso grande slogan é ‘Sorria, está na Maia’ e com esta medida as pessoas vão poder mostrar os seus sorrisos com mais agrado, vão ser mais felizes. E é para isso que a Câmara da Maia trabalha…”

A vereadora com o pelouro da Saúde, Emília Santos, salientou que a Maia “agarrou este projeto protocolando dois consultórios, ao contrário do normal que é apenas um por município. Com isto conseguimos chegar a praticamente todo o concelho, pois as consultas estarão em freguesias em geografias opostas”.

A vereadora adiantou ainda que o investimento da Câmara da Maia diz respeito ao apetrechamento de todo o consultório e à ARS compete a colocação de médico dentista e da assistente.

O acordo tem um envolvimento financeiro na ordem dos 100 mil euros, porque “entendemos que a nossa população beneficia imenso com este projeto, principalmente quando estamos num concelho que tem como lema ‘Sorria, está na Maia’”.

Emília Santos recordou que a Maia tem tido uma postura proativa na área da Saúde e já no ano passado havia feito um protocolo com a ARS Norte no âmbito de consultas de oftalmologia. “O Centro de Saúde da Maia está envolvido neste projeto que realiza rastreios visuais a todas as crianças do concelho aos 2 e aos 4 anos de idade”, explicou Emília Santos ao Primeira Mão.

Pimenta Marinho, presidente da ARS Norte, recordou que a “experiência piloto das consultas de Medicina Dentária começou em 2016 em 13 centros de saúde, mas nenhum desses pertencia à Região Norte. Desde logo, esse foi um grande desafio para a ARS Norte. A maior e melhor região de Saúde do país não podia deixar de acompanhar e estar também na frente nesta medida”.

Assim, lembrou, foi em novembro de 2016 que se chegou a um acordo de princípio para instalar a Saúde Oral na Região Norte e iniciando por três municípios.

Em 2017/18, “em colaboração muito próxima com as autarquias, foi possível abrir 12 novos consultórios de Medicina Dentária e em breve, provavelmente em janeiro de 2019, poderemos assinar mais três protocolos com Vila Verde, Gondomar e Barcelos. Em setembro assinamos protocolo com 12 municípios e, hoje, são assinados com estes 10 municípios”, declarou Pimenta Marinho.

Orlando Monteiro da Silva, Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, reforçou a união entre poder central e poder local nesta matéria: “Esta conjugação de esforços entre Ministério da Saúde e entre as autarquias vai de encontro aos objetivos deste grande protocolo, que tem merecido tanto aplauso pelo país”.

E salientou que a “aposta na população traz outras vantagens que não trazem as obras físicas, como por exemplo a diminuição do absentismo, a maior produtividades e aumento da auto-estima das pessoas”.