,

Expetativa de 66 milhões de euros de investimento na área da ARU de Moreira e VN Telha

A Câmara da Maia prevê investir cerca de 25 milhões de euros na Área de Reabilitação Urbana (ARU) de Moreira e Vila Nova da Telha, de acordo com um plano a dez anos que, no último sábado (9), foi apresentado, na antiga Escola Primária de Pedras Rubras.

Em causa está uma das seis ARU criadas na Maia, sendo objetivo do município desenvolver nestas zonas novas centralidades.

O projeto para Moreira e Vila Nova da Telha inclui a criação do parque do Lidador, bem como a beneficiação do polidesportivo da escola e jardim de infância ali localizados, vários arranjos de arruamentos e estradas, a criação do parque urbano de Pedras Rubras e a implementação de vários programas como um de apoio social e educativo.

“Para esse plano a dez anos vamos investir 25 milhões de euros, que se traduzirão numa melhoria para a vida quotidiana dos maiatos e sempre sem descurar a componente da sustentabilidade que pretendemos, cada vez mais, que faça parte do dia a dia de todos nós”, referiu o presidente da Câmara da Maia, António Silva Tiago.

O cronograma de investimentos inclui previsões de investimentos privados na ARU de Moreira/Vila Nova da Telha, sendo expetativa da Câmara da Maia que aos 25 milhões de euros que tem previstos para a zona se somem 35 milhões, num total de investimento a rondar os 66 milhões de euros.

A partir deste documento também é possível perceber quais os setores que beneficiarão de mais verba, encontrando-se a reabilitação de edifícios a liderar a tabela. Seguem-se a intervenção na rede viária, que no total poderá custar 11 milhões, enquanto para a intervenção em espaço público estão reservados sete milhões e para os espaços verdes cerca de cinco milhões.

“Estou fortemente empenhado na revitalização e reforço do papel cívico de diversas centralidades do concelho da Maia. O papel das micro centralidades é importante para o incremento da qualidade de vida das populações e para corrigir aqui e ali algumas assimetrias que ainda existem no território”, considerou o presidente da Câmara da Maia.

António Silva Tiago adiantou também que é sua intenção, além deste plano para Moreira/Vila Nova da Telha, criar outras centralidades no concelho, referindo-se às restantes cinco ARU da Maia.

As ARU são áreas onde a reabilitação urbana tem associada benefícios fiscais, nomeadamente isenções no Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) por um período de três anos com possibilidade de renovação por mais cinco anos, isenções no Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT), de acordo com determinados parâmetros, bem como a redução a metade das taxas devidas pela avaliação do estado de conservação, entre outros.
Estes benefícios destinam-se a moradores ou futuros moradores e investidores, sejam construtores ou outros agentes imobiliários.

“Esperamos que estes instrumentos, que congregam uma série de benefícios fiscais, atraiam investimentos privados na reabilitação do edificado. Mas sabemos que isso não basta, é necessário igualmente contribuir com a requalificação do espaço público”, concluiu o autarca maiato.