,

Mês da Arquitetura da Maia: pensar o futuro do território daqui a 100 anos

 
No ano em que a cidade da Maia comemora 500 anos do Foral Manuelino, oito ateliês e quatro críticos de arquitetura refletem sobre os grandes desafios das cidades do futuro.
 
Qual o futuro das cidades no próximo século? Na sua segunda edição, o MAM – Mês da Arquitetura da Maia faz “Fast Forward” e antecipa o futuro do território e do planeamento urbano, convidando ateliês e críticos de arquitetura a projetar o concelho da Maia em 2119.
 
Com a curadoria da arquiteta Andreia Garcia e promovida pela Câmara da Maia, a exposição irá estar patente no Fórum da Maia até 31 de março, sendo que a iniciativa se estende ao cinema Venepor, no dia 8, onde os vários ateliês intervenientes irão debater o futuro das cidades.

Os debates “Fast Forward” arrancam às 10h00 com Branco Del Rio, Fala e Inês Moreira, seguem-se, às 11h30, Artéria, Corpo Atelier e Joaquim Moreno. Às 15h00 é tempo de conhecer a visão de Os Espacialistas, Skrei e Susana Ventura, terminando com as intervenções de Ana Aragão, Pedro Bandeira e Summary às 16h30.  A entrada, tanto para a exposição como para os debates, é livre e gratuita.
 
Nesta segunda edição, oito arquitetos emergentes e quatro críticos consagrados foram convidados a esboçar uma reflexão crítica, mais ou menos profética, sobre o impacto da evolução do urbanismo, mobilidade, tecnologia, gentrificação, alterações sociais e ambientais no território.

O resultado ganha a forma de textos, maquetas, desenhos rigorosos, ilustrações, colagens, instalações, realidade virtual, numa integração de diferentes visões e abordagens criativas.
 
Segundo Andreia Garcia, arquiteta mentora do projeto, “O MAM é um convite à reflexão. Num mundo em vertiginosa aceleração, é urgente pensar a evolução das cidades e o papel da arquitetura na antecipação daqueles que serão os grandes desafios urbanísticos do futuro. Partimos do território da Maia como base de estudo, facilmente extrapolado para outras cidades do mundo.

Nesta prolepse criativa, convocamos nomes emergentes da nova geração da arquitetura nacional, uma vez que sobre eles recai esta complexa responsabilidade de pensar e traçar a paisagem urbana do futuro”.
 
A curadoria da exposição apresenta uma abordagem multidisciplinar e abrangente.

O painel de convidados é formado por Ana Aragão, arquiteta e reconhecida ilustradora portuense; Artéria, atelier de Lisboa liderado por Ana Jara e Lucinda Correia; Branco Del Rio, estúdio de João Branco e Paula del Río, sediado em Coimbra; Corpo Atelier, do arquiteto Filipe Paixão, com base em Vilamoura; Fala, ateliê do Porto; Espacialistas, um coletivo híbrido entre arte contemporânea e arquitetura;Skrey, ateliê fundado por Francisco Adão da Fonseca e Pedro Jervell, no Porto e Summary, atelier liderado pelo arquiteto Samuel Gonçalves do Porto. O painel completa-se ainda com quatro reconhecidos especialistas: Inês Moreira, arquiteta e  Professora na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Joaquim Moreno, arquiteto e professor universitário em faculdades como a Universidade de Columbia, nos E.U.A. e a Architectural Association, Pedro Bandeira, arquiteto e Presidente da Escola de Arquitetura da Universidade do Minho e Susana Ventura, arquiteta e investigadora de Lisboa.
 
O MAM – Mês da Arquitetura da Maia é uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal da Maia e concebida pelo atelier Andreia Garcia Architectural Affairs, responsável pelo conceito, curadoria e produção.