Opinião de Joaquim Armindo em Primeira Mão

Esta semana, em Primeira Mão, artigo de opinião de Joaquim Armindo, intitulado "Uma carta na Praça Pública". Aqui fica um extracto:

“Reconheçamos que não existe um projecto, uma alma socialista capaz de fazer frente ao poder instalado, e que bem merecia uma alternativa, para seu próprio bem. A primeira conclusão deste mau estar é que o PS da Maia, não tem tido a capacidade de forjar a unidade, na multiplicidade de opiniões, e isso significa uma diatribe sem qualquer solução, que passa necessariamente pelo afastamento do patriarca, pois ele dispõe e põe, como aconteceu no anterior poder e vai acontecer neste, esta é a principal conclusão que se poderá obter. A segunda, é que estando já designado o candidato à câmara da Maia, que, não tenho nenhum rebuço em apoiar, desde que a estratégia seja desenhada com seriedade e cumplicidade dos militantes; o actual presidente e alguns dos seus apoios não estão de acordo, militando pelo aparecimento dum candidato “maiato, nascido e criado”, o que me parece uma profunda estupidez política, e um erro de análise do que é o nosso mundo e muito concretamente esta terra da Área Metropolitana do Porto”